OMS aprova vacina simplificada contra a cólera para superar escassez

20 de Abril 2024

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou hoje uma versão simplificada de uma vacina oral contra a cólera, que deverá permitir aumentar a produção total destes soros em resposta à explosão do número de casos a nível mundial.

A vacina Euvichol-S é uma formulação simplificada da Euvichol-Plus, com menos componentes, o que deverá permitir a produção mais rápida de maiores volumes, declarou a Organização Mundial da Saúde num comunicado de imprensa divulgado hoje.

A vacina é produzida pelo grupo sul-coreano EuBiologics, cujas vacinas Euvichol e Euvichol-Plus já foram aprovadas pela OMS.

Para a organização, a nova vacina tem taxa de eficácia semelhante a formulações mais complexas.

“A nova vacina é o terceiro produto da mesma família de vacinas contra a cólera na nossa lista de pré-qualificação”, disse o diretor do departamento de regulação e pré-qualificação da OMS, Rogério Gaspar.

Gaspar disse esperar “um rápido aumento na produção e nos suprimentos de que muitas comunidades que enfrentam surtos de cólera precisam urgentemente”.

A cólera, que é contraída por bactérias geralmente transmitidas através de água ou alimentos contaminados, causa diarreia e vómitos e pode ser perigosa para crianças pequenas.

Nos últimos anos, os casos multiplicaram-se em todo o mundo: 473.000 casos foram notificados à OMS em 2022, o dobro do ano anterior, e dados preliminares indicam que mais de 700.000 casos foram notificados no ano passado.

Embora a oferta global de vacinas contra a cólera tenha aumentado dezoito vezes entre 2013 e 2023, a procura crescente criou uma escassez global.

Para fazer frente à explosão de casos, a OMS passou da recomendação de duas doses de vacina para apenas uma.

Atualmente, 23 países registam surtos de cólera, sendo que os impactos mais graves estão a ser sentidos nas Comores, na República Democrática do Congo, na Etiópia, em Moçambique, na Somália, na Zâmbia e no Zimbabué.

De acordo com a Aliança das Vacinas (Gavi) e a Unicef, a agência das Nações Unidas para a Infância, a luz verde da OMS ajudará a aumentar o stock global de 38 milhões de doses em 2023 para cerca de 50 milhões este ano.

A decisão da OMS “representa uma tábua de salvação para comunidades vulneráveis em todo o mundo”, disse o chefe de mercados de vacinas da Gavi, Derrick Sim.

A vacina líquida tem prazo de validade de 24 meses.

A EuBiologics é atualmente o único fornecedor de vacinas orais contra a cólera, embora se espere que outros fabricantes ofereçam produtos nos próximos anos.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Esclerose Múltipla

Cristiana Lopes Martins, fisiatra nos hospitais de Portimão e Lagos (Unidade Local de Saúde do Algarve) e na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano; Eduarda Afonso, fisiatra no hospital de Faro (Unidade Local de Saúde do Algarve)

Enfermeiros querem reunir com António Gandra d’Almeida

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) saudou esta quarta-feira a eleição de António Gandra d’Almeida como novo diretor executivo do Serviço Nacional de Saúde. Em declarações ao nosso jornal, o responsável afirmou que vai solicitar uma reunião com António Gandra d’Almeida e a nova equipa.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights