Assistentes operacionais acordam atualização de carreiras com ULS Médio Tejo

9 de Maio 2024

As ações de protesto dos assistentes operacionais da Unidade Local de Saúde (ULS) do Médio Tejo foram canceladas depois de a administração ter garantido a resolução dos problemas com a atualização de carreiras, disse à Lusa fonte sindical.

“Saímos da reunião com o compromisso da administração que, o mais tardar até ao final do primeiro semestre deste ano, todo o processo estava concluído”, disse à Lusa Rodrigo Rodrigues, do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Sul e Regiões Autónomas, depois de um encontro com o conselho de administração da ULS.

Rodrigo Rodrigues recordou que entre as reivindicações dos trabalhadores estava a transição de assistentes operacionais para a carreira de técnico auxiliar de saúde (TAS) e a questão da antiguidade dos trabalhadores, com mais de 30 anos de função pública, que deveriam ter subido uma posição remuneratória em janeiro de 2023 e outra em janeiro de 2024, “para se distanciarem do salário mínimo”.

A reunião entre o sindicato e a administração da ULS foi agendada depois de mais de uma centena de assistentes operacionais da ULS Médio Tejo, que agrega os cuidados de saúde primários e hospitalares de 10 municípios do distrito de Santarém, se ter manifestado em 30 de abril em frente ao Hospital de Torres Novas, no âmbito de uma greve de 24 horas para reivindicar a atualização da categoria profissional.

“Se a questão ficar resolvida, esta luta estará encerrada”, salientou o sindicalista.

Contactada no dia da greve, a ULS Médio Tejo indicou que “a maioria das questões suscitadas no pré-aviso de greve encontra-se resolvida ou em vias de resolução num curto espaço de tempo”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights