Fundo Global alarga apoio na luta contra malária, HIV-SIDA e Tuberculose em Angola

15 de Maio 2024

O Fundo Global alargou o apoio na luta contra a malária, HIV-SIDA e Tuberculose em Angola a mais uma província e aumentou o financiamento para 126 milhões de dólares, num acordo hoje assinado com o ministério da Saúde.

O Fundo Global de Luta contra a SIDA, Tuberculose e Malária é o maior financiador mundial de programas de luta contra estas doenças.

Segundo a ministra Sílvia Lutucuta, que falava na cerimónia de assinatura do acordo com o Fundo Global, conhecido com GC7, a nova subvenção, agora no valor de 126 milhões de dólares (cerca de 116,5 milhões de euros) vai incluir também a região do Bié, devido ao elevado número de casos de malária.

“Até junho do corrente ano, serão apoiadas as províncias de Benguela e do Cuanza Sul e a partir de julho de 2024, no quadro da nova subvenção, a província do Bié será incluída no projeto deste importante parceiro doador na luta contra o VIH/SIDA, a Tuberculose e a Malária, assim como no fortalecimento do Sistema de Saúde”, destacou.

Lutucuta disse esperar que a subvenção se concretize em ações concretas e ajude a melhorar a eficiência na implementação das atividades e execução dos recursos disponibilizados para a prevenção e o controlo destas doenças nas três províncias apoiadas.

Assegurou que o executivo está empenhado no setor da saúde, destacando o aumento de recursos financeiros, investimento em capital humano com o ingresso de profissionais de saúde, e melhoria do acesso aos serviços de saúde e aos medicamentos, com a reabilitação e ampliação de unidades sanitárias e a realização de compras agrupadas.

No que respeita à capacitação, salientou que o Ministério da Saúde prevê, num futuro próximo, no âmbito da especialização de 38 mil profissionais de saúde, ter capacidade suficiente para gerir e implementar de forma eficiente e eficaz as futuras subvenções.

Salientou igualmente que o Ministério da Saúde, em parceria com o Ministério das Finanças, está a trabalhar num modelo de financiamento sustentável, para concretizar o cofinanciamento da saúde reconhecendo que para alcançar os objetivos da subvenção é necessário impulsionar as atividades comunitárias.

A política de saúde comunitária está já concluída e encontra-se em fase de aprovação, acrescentou.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Esclerose Múltipla

Cristiana Lopes Martins, fisiatra nos hospitais de Portimão e Lagos (Unidade Local de Saúde do Algarve) e na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano; Eduarda Afonso, fisiatra no hospital de Faro (Unidade Local de Saúde do Algarve)

Enfermeiros querem reunir com António Gandra d’Almeida

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) saudou esta quarta-feira a eleição de António Gandra d’Almeida como novo diretor executivo do Serviço Nacional de Saúde. Em declarações ao nosso jornal, o responsável afirmou que vai solicitar uma reunião com António Gandra d’Almeida e a nova equipa.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights