Parkinson: ULS de Braga implementa novo tratamento

15 de Maio 2024

A Unidade Local de Saúde de Braga (ULS de Braga) iniciou um tratamento pioneiro para a Doença de Parkinson em estado avançado, foi esta quarta-feira anunciado. 

O primeiro utente a receber a Duodopa subcutânea na ULS de Braga, em abril, foi uma mulher com Doença de Parkinson em estado avançado. Antes de surgir esta opção de tratamento, a utente apresentava flutuações motoras graves, o que a impedia, em muitos momentos do dia, de realizar as suas atividades diárias. Além disso, necessitava de tomar  medicamentos de duas em duas horas para controlar os seus sintomas, mas não obtinha bom controlo dos seus sintomas.

Desde que iniciou o tratamento de perfusão subcutânea contínua com Duodopa, a utente demonstrou uma melhoria significativa na sua qualidade de vida. Ao longo do dia, passou a controlar melhor os sintomas motores, sobretudo com redução dos períodos Off e das discinesias, o que lhe devolveu parte da autonomia na realização das suas atividades diárias.

“É com enorme satisfação que podemos contribuir para a melhoria da qualidade de vida destes utentes, que sofrem, diariamente, com os efeitos da Doença de Parkinson.”, afirmou Paula Vaz Marques, Diretora Clínica para os Cuidados de Saúde Hospitalares da ULS de Braga. “Acreditamos que este novo medicamento pode fazer uma diferença real na vida dos nossos utentes e é para isso que trabalhamos continuamente”, concluiu.

O novo medicamento, Duodopa, é uma solução para perfusão subcutânea contínua que combina foslevodopa e foscarbidopa. Os estudos clínicos realizados demonstraram que o Duodopa é eficaz na redução dos sintomas motores da doença de Parkinson, com uma diminuição das flutuações motoras e discinésias (movimentos involuntários).

PR/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

OMS lança iniciativa SPECS 2030

A Organização Mundial de Saúde (OMS) acaba de lançar a iniciativa SPECS 2030, inserida na Global SPECS Network que tem como principal objetivo unir uma rede global de participantes para atingir a meta global do erro refrativo para 2030, que consiste no aumento de 40% na cobertura efetiva desta patologia.

Os enfermeiros (também) são cientistas

Lara Cunha: Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica; Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

49% das deslocações forçadas no mundo ocorrem em África

Conflitos, alterações climáticas, pobreza extrema e insegurança alimentar fazem disparar deslocações forçadas no continente africano e irão obrigar mais de 65 milhões de pessoas a fugir das suas casas até ao final de 2024. Subfinanciamento surge como principal ameaça à ajuda humanitária.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights