Especialista pede que obesidade seja encarada como uma doença crónica com alto impacto na saúde

17 de Maio 2024

A especialista em Ciências da Nutrição, Rosário Monteiro, alertou hoje para os desafios do tratamento da obesidade nos cuidados de saúde primários. A especialista pede aos médicos que encarem a doença como sendo crónica e com alto impacto na saúde dos doentes.

Rosário Monteiro participou esta sexta-feira no XXIII Congresso de Nutrição e Alimentação promovido pela Associação Portuguesa da Nutrição. A sua intervenção teve como foco os desafios e oportunidades do tratamento da obesidade nos cuidados de saúde primários.

Em declarações ao nosso jornal, a especialista afirmou que “a importância de trazer este tema ao congresso é muita. Em primeiro lugar, porque o excesso de peso, que engloba a pré-obesidade e a obesidade, afeta mais de 60% da população portuguesa. Em segundo lugar, porque esta doença esta associada a mais de 200 outras patologias”.

A também médica de família explicou que a etiologia da obesidade é multifatorial, destacando, por isso, a importância do envolvimento das diferentes especialidades médicas.

Questionada sobre a forma como é tratada a doença nos cuidados de saúde primários, Rosário Monteiro disse: “Esta patologia só agora é que começa a ser integrada nos índices de desempenho das equipas. Isto ajuda a melhorar o reconhecimento da obesidade como doença. A questão é que, pela limitação de recursos, nos cuidados de saúde primários não temos muita capacidade de abordar o problema. De qualquer modo, temos vindo a implementar novas estratégias nas nossas consultas e que visam a modificação do estilo de vida.”

Entre os desafios do combate à obesidade, a especialista identificou: o subdiagnóstico da doença; a falta de recursos; a ausência de uma estratégia nacional; o elevado custo dos medicamentos e o número de anos que os resultados demoram para serem visíveis, levando a que a doença não seja considerada uma prioridade por parte dos decisores políticos.

No que toca às oportunidades, a médica refere que: existe uma maior preocupação dos profissionais de saúde; há especialistas cada vez mais preparados para lidar com a doença; temos fármacos mais eficazes e, acima de tudo, que existe evidência que o tratamento da obesidade é custo-eficaz.

Sobre as estratégias que podem ser adotadas para melhorar o combate à obesidade destacou a desestigmatização da doença; a melhoria da comunicação com o doente, alertando para os riscos na saúde; a monitorização constante dos doentes; o envolvimento da família; a garantia do apoio psicológico, entre outros.

A especialista terminou com um apelo: “A obesidade tem de ser abordada da mesma forma que o resto das doenças crónicas.

HN/VC

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla” de Emanuel Ribeiro abre em Lisboa

O artista Emanuel Ribeiro apresenta três das suas mais impactantes obras – “À Deriva”, “Grito Mudo” e “Libertação” – na exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla”. Organizada pela Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM), com o apoio da Merck e do El Corte Inglés (ECI), a exposição visa retratar as complexidades, desafios e triunfos da vida com esclerose múltipla.

Futuros nutricionistas enfrentam “tubarões” no Teatro Thalia

A NOVA Medical School vai trazer para a academia o conhecido modelo de captação de negócio ‘Shark Tank’, dia 28 de junho no Teatro Thalia, em Lisboa, proporcionando uma plataforma para os alunos finalistas da Licenciatura em Ciências da Nutrição se apresentarem ao mercado de trabalho.

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights