Fernando Araújo diz que nomear “é um fardo” e que não o faz “sob indicação política ou pressão da comunicação social”

22 de Maio 2024

Fernando Araújo admitiu, em comissão parlamentar de Saúde, esta quarta-feira, que não queria ter tido que carregar o “fardo” de nomear os conselhos de administração, e avisou que nunca nomeou nem nomeará “sob indicação política ou sob pressão da comunicação social”.

“É um fardo, porque nomear com exigência, com qualidade, é de uma enorme dificuldade, portanto era algo que nós não queríamos. Assumimos porque o Governo depois não estaria em funções e era importante que as Unidades Locais de Saúde, nesta reforma profunda, não ficassem sem dirigentes”, esclareceu Fernando Araújo.

“Relativamente às várias nomeações que foram feitas, não houve uma única reclamação, uma única necessidade de correção de nenhum diploma, uma única questão face aos elementos”, disse o diretor executivo, tendo recordado que apenas nomeou para “cargos que estavam vagos”. Neste momento, faltam nomeações para quatro Unidades Locais de Saúde que, desde o interior de Portugal, preocupam o antigo diretor executivo.

Fernando Araújo explicou que a DE-SNS não achou ético nomear pessoas para funções de três anos não sabendo exatamente que plano se seguiria, “fosse que partido fosse, do ponto de vista de visão para o SNS”. “Desde o dia 10 de março, não nomeámos mais ninguém”, completou Fernando Araújo.

“Nunca nomeámos nem nomearei sob indicação política ou sob pressão da comunicação social. (…) Nunca nomearei nenhum dirigente público mesmo que artigos da comunicação social coloquem em causa o meu nome ou a minha honorabilidade. (…) Não cederemos a pressões nesse sentido. A minha função é zelar pela defesa do interesse público e, portanto, irei perseguir essa função até final do processo”, declarou.

Fernando Araújo elogiou também as indicações das autarquias para os conselhos de administração, uma vez que “têm sido elementos valiosos na gestão das ULS”.

HN/RA

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guilherme Veríssimo: “A saúde começa pela boca”

A evidência científica comprova que a má saúde oral está diretamente relacionada com 23 doenças sistémicas, entre elas a diabetes e as doenças cardiovasculares, e cinco tipos de cancro. Esta realidade pode surpreender a maior parte da população, mas não os dentistas. Em entrevista ao nosso jornal, o Médico Dentista, Guilherme Veríssimo, frisa que a “saúde oral não se resume a uma questão estética”, deixando alguns alertas para a importância da correta higienização dos dentes. O médico dentista aproveitou ainda para desmistificar alguns dos principais mitos associados à doença peridontal.

INEM esclarece que chamadas via 112 são descentralizadas

O INEM esclareceu que as chamadas que dão entrada via 112 para o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) são descentralizadas, avançando que hoje de manhã estavam ao serviço 48 técnicos, 24 dos quais em atendimento.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights