Comportamentos saudáveis para o coração podem ajudar a reverter o envelhecimento celular rápido

9 de Junho 2024

O benefício de uma melhor saúde cardíaca pode estar associado ao impacto positivo dos fatores de um estilo de vida saudável para o coração no envelhecimento biológico (a idade do corpo e das suas células), de acordo com uma nova investigação publicada na última edição do Journal of the American Heart Association, uma revista de acesso livre e revista por pares da American Heart Association.

“Os resultados do nosso estudo dizem-nos que, independentemente da idade real, a adoção de comportamentos mais saudáveis para o coração e a gestão dos fatores de risco de doença cardíaca estão associados a uma idade biológica mais jovem e a um menor risco de doença cardíaca e acidente vascular cerebral, morte por doença cardíaca e acidente vascular cerebral e morte por qualquer causa”, afirmou Jiantao Ma, Ph.D., autor sénior do estudo e professor assistente na divisão de epidemiologia nutricional e ciência de dados na Friedman School of Nutrition Science and Policy na Tufts University em Boston.

Este estudo analisou se um processo de modificação química conhecido como metilação do ADN, que regula a expressão genética, pode ser um mecanismo através do qual os fatores de saúde das doenças cardiovasculares afetam o envelhecimento celular e o risco de morte. Os níveis de metilação do ADN são o biomarcador mais promissor para estimar a idade biológica. Até certo ponto, a idade biológica é determinada pela sua composição genética e pode também ser influenciada por fatores relacionados com o estilo de vida e o stress.

Os investigadores examinaram os dados de saúde de 5.682 adultos (idade média de 56 anos; 56% dos participantes eram mulheres) que estavam inscritos no Estudo do Coração de Framingham, um projeto de investigação multigeracional de grande dimensão em curso, destinado a identificar fatores de risco de doenças cardíacas. Através de entrevistas, exames físicos e testes laboratoriais, todos os participantes foram avaliados utilizando a ferramenta Life’s Essential 8 da American Heart Association. A ferramenta classifica a saúde cardiovascular entre 0-100 (sendo 100 a melhor), utilizando um conjunto de quatro medidas comportamentais (ingestão alimentar, atividade física, horas de sono por noite e tabagismo) e quatro medidas clínicas (índice de massa corporal, colesterol, açúcar no sangue e pressão arterial). Cada participante foi também avaliado utilizando quatro ferramentas que estimam a idade biológica com base na metilação do ADN e uma quinta ferramenta que avalia a tendência genética de uma pessoa para um envelhecimento biológico acelerado. Os participantes foram seguidos durante 11-14 anos para detetar novas doenças cardiovasculares, morte cardiovascular ou morte por qualquer causa.

A análise revelou que:

Por cada aumento de 13 pontos na pontuação do Life’s Essential 8 de um indivíduo, o risco de desenvolver uma doença cardiovascular pela primeira vez foi reduzido em cerca de 35%, a morte por doença cardiovascular foi reduzida em 36% e a morte por qualquer causa foi reduzida em 29%.

Nos participantes com um perfil de risco genético que os torna mais suscetíveis de ter uma idade biológica acelerada, a pontuação Life’s Essential 8 teve um impacto maior nos resultados potencialmente através da metilação do ADN, ou seja, a metilação do ADN foi responsável por 39%, 39% e 78% de redução do risco de doença cardiovascular, morte cardiovascular e morte por todas as causas, respetivamente.

Globalmente, estima-se que cerca de 20% da associação entre as pontuações do Life’s Essential 8 e os resultados cardiovasculares se deve ao impacto dos fatores de saúde cardiovascular na metilação do ADN; em contrapartida, para os participantes com maior risco genético, a associação foi de quase 40%.

“Embora existam algumas calculadoras de idade biológica baseadas na metilação do ADN disponíveis comercialmente, não temos uma boa recomendação sobre se as pessoas precisam de saber a sua idade epigenética”, afirmou Ma. “A nossa mensagem é que todos devem ter em atenção os oito fatores de saúde das doenças cardíacas e dos acidentes vasculares cerebrais: comer alimentos saudáveis; ser mais ativo; deixar de fumar; dormir bem; controlar o peso; e manter níveis saudáveis de colesterol, açúcar no sangue e pressão arterial.”

Randi Foraker, coautor do livro Life’s Essential 8: Updating and Enhancing the American Heart Association’s Construct of Cardiovascular Health, afirmou que os resultados são consistentes com investigações anteriores.

“Sabemos que os fatores de risco modificáveis e a metilação do ADN estão associados de forma independente às doenças cardiovasculares. O que este estudo acrescenta é que a metilação do ADN pode servir de mediador entre os fatores de risco e as doenças cardiovasculares”, afirmou Foraker, que é professor de medicina no Instituto de Informática, Ciência de Dados e Bioestatística e diretor do Centro de Informática para a Saúde da População, ambos na Washington University School of Medicine em St. Louis, Missouri. “O estudo destaca a forma como a saúde cardiovascular pode afetar o envelhecimento biológico e tem implicações importantes para o envelhecimento saudável e a prevenção de doenças cardiovasculares e, potencialmente, de outras condições de saúde.”

Bibliografia: J Am Heart Assoc. 2024;13:e032743. DOI: 10.1161/JAHA.123.0327431
Epigenetic Age Mediates the Association of Life’s Essential 8 With Cardiovascular Disease and Mortality
Madeleine Carbonneau , BA; Yi Li , MA; Brenton Prescott , MS; Chunyu Liu , PhD; Tianxiao Huan , PhD; Roby Joehanes , PhD; Joanne M. Murabito , MD; Nancy L. Heard-Costa, PhD;
Vanessa Xanthakis , PhD; Daniel Levy , MD*; Jiantao Ma , PhD*

 

Alphagalileo/HN/NR

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

A Associação Nacional dos Técnicos de Emergência Médica (ANTEM) denuncia em comunicado a “peocupante” situação do Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), relatando sérios constrangimentos no atendimento dos pedidos de ajuda pelo CODU

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights