Sudão: Serviços em hospital no oeste suspensos devido a ataque de paramilitares

10 de Junho 2024

Os Médicos Sem Fronteiras (MSF) denunciaram hoje que todos os serviços num hospital de Al-Fasher, no oeste do Sudão, foram suspensos devido a um ataque das Forças de Apoio Rápido (FRS), grupo paramilitar que tenta controlar a cidade.

Em comunicado, os MSF disseram tratar-se do Hospital Sul, um dos dois únicos centros médicos em Al-Fasher com capacidade cirúrgica, principal referência para tratamento de feridos de guerra naquela cidade, capital do estado de Darfur do Norte, e o único equipado para cuidar de um grande número de vítimas.

“Os MSF e o Ministério da Saúde [sudanês] suspenderam todas os serviços no Hospital Sul (…) depois de os soldados das FRS terem invadido as instalações, aberto fogo e terem saqueado o local, incluindo o roubo de uma ambulância”, refere-se na nota.

Os MSF referiram que a maior parte dos pacientes e da equipa médica que se encontravam no hospital “conseguiram fugir dos disparos das FRS”, embora não tenham ainda conseguido verificar se houve mortos ou feridos no ataque.

O chefe do departamento de emergência dos MSF, Michel Lacharité, citado no comunicado, declarou que esse ataque “não é um incidente isolado”.

“Tanto a equipa de saúde quanto os pacientes suportaram ataques nas instalações durante semanas de todos os lados, mas abrir fogo dentro de um hospital ultrapassa os limites”, disse Lacharité.

O responsável dos MSF apelou a que “as partes em conflito parem os ataques aos serviços médicos”, alertando que “os hospitais estão a encerrar” e que “as instalações restantes não podem cuidar de um grande número de vítimas”.

Segundo os MSF, somente entre 10 de maio e 06 de junho, mais de 1.300 vítimas procuraram tratamento no Hospital Sul.

“Agora os feridos estão a ser transferidos para outras instalações, como hospitais pediátricos e sauditas, que não estavam preparados para tal fluxo” de pacientes, acrescentou.

Al-Fasher é o último bastião do exército na imensa região de Darfur, formada por cinco estados e uma das regiões mais afetadas pelo cerco e confrontos entre o exército sudanês e os FRS.

A guerra no Sudão, que eclodiu em 15 de abril de 2023, transformou o país africano no cenário da pior crise sanitária e de deslocados internos e no estrangeiro do mundo, com quase 10 milhões de pessoas, segundo a ONU.

Em mais de um ano de guerra, o número de mortos ronda os 30 mil, segundo o Sindicato dos Médicos Sudaneses, alertando ainda que o número real de vítimas pode ser muito superior.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights