Medicamento eficaz na prevenção de “tempestade inflamatória” – Estudo

27 de Abril 2020

Paris, 27 abr 2020 (Lusa) – O medicamento imunomodelador tocilizumab mostrou eficácia na prevenção da "tempestade inflamatória" nos doentes com covid-19 em estado grave, segundo um estudo francês ainda não publicado e cujos primeiros resultados foram hoje divulgados.

Paris, 27 abr 2020 (Lusa) – O medicamento imunomodelador tocilizumab mostrou eficácia na prevenção da “tempestade inflamatória” nos doentes com covid-19 em estado grave, segundo um estudo francês ainda não publicado e cujos primeiros resultados foram hoje divulgados.

Este tratamento reduziu significativamente a proporção de pacientes transferidos para reanimação ou que morreram, em relação a um tratamento comum, indicou a Assistência Pública do Hospital de Paris (AP-HP).

Trata-se do “primeiro ensaio comparativo por sorteio” que “demonstrou um benefício clínico” deste tratamento em doentes com covid-19 a sofrerem de uma infeção grave, sublinharam os responsáveis durante uma conferência de imprensa telefónica.

Estes resultados devem ser ainda “consolidados” antes de serem publicados numa revista científica, dentro de algumas semanas.

Mas a AP-HP explicou ter decidido torná-los públicos agora “por razões de saúde pública”, face ao contexto da crise pandémica, e comunicou-os às autoridades de saúde francesas e à Organização Mundial da Saúde (OMS).

O tocilizumab (Actemra ou RoActemra), do laboratóire Roche, pertence à família dos anticorpos monoclonaux – criados em laboratório, a partir de uma única cepa de linfócitos e projetados para atingir um alvo específico.

Usados habitualmente no tratamento da artrite reumatóide, funcionam bloqueando o recetor de uma proteína do sistema imunitário que desempenha um papel importante no processo inflamatório.

Certos pacientes atingidos pelo novo coronavírus sofrem um brusco agravamento do seu estado ao fim de vários dias, devido a uma perturbação respiratória aguda, um fenómeno provavelmente ligado a uma reação imunitária excessiva do organismo.

Foram incluídas no estudo 129 pessoas hospitalizadas em 13 hospitais: doentes com covid-19 que sofriam de uma pneumonia de “severidade média a grave” e que precisavam de respiração assistida com oxigénio.

Este perfil corresponde a “apenas a 5% a 10% dos doentes infetados” pelo novo coronavírus, mas fazem parte dos que correm maior risco de se manterem com respiração artificial ou de morrerem, sublinhou Xavier Marriette, co-investigador cordenador do estudo, durante a conferência telefónica.

Metade dos participantes recebeu uma ou duas injeções de tocilizumab além do tratamento padrão (oxigénio, antibióticos e anticoagulantes), enquanto a outra metade recebeu unicamente os remédios comuns.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 206.000 mortos e infetou quase três milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Perto de 810.000 doentes foram considerados curados.

Lusa/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Obesidade e Cancro: Investir em saúde, para poupar na doença

Prof. Dr. Gil Faria: Cirurgião especialista em Cirurgia da Obesidade e Metabolismo; Coordenador dos Centros de Tratamento da Obesidade do Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos, e do Grupo Trofa Saúde; Professor da FMUP; Investigador clínico na área da Cirurgia Metabólica e Obesidade

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights