Costa: “Nunca terei vergonha ou qualquer rebuço em dar um passo atrás”

30 de Abril 2020

Lisboa, 30 abr 2020 - O primeiro-ministro afirmou hoje que o processo de gradual levantamento das restrições por causa da covid-19 apresenta riscos e frisou que o Governo não hesitará em dar "um passo atrás" para garantir a segurança dos portugueses.

Lisboa, 30 abr 2020 – O primeiro-ministro afirmou hoje que o processo de gradual levantamento das restrições por causa da covid-19 apresenta riscos e frisou que o Governo não hesitará em dar “um passo atrás” para garantir a segurança dos portugueses.

“Nunca terei vergonha ou qualquer rebuço de dar um passo atrás se isso for necessário para garantir esse bem essencial que é a segurança dos portugueses”, declarou António Costa em conferência de imprensa, no final do Conselho de Ministros, depois de o Governo aprovar o plano de transição do estado de emergência, que cessa no sábado, para o estado de calamidade, que começa este domingo.

De acordo com o primeiro-ministro, o processo de levantamento de restrições “tem riscos – e ninguém pode ignorar a existência desses riscos”.

Temos também consciência de que à medida que vamos reabrindo um conjunto de atividades inevitavelmente o risco de transmissão vai aumentar. Portanto, ninguém tenha ilusões de que quando passarmos a abrir uma loja o risco de contenção diminui ou será o mesmo. Seguramente o risco aumenta, o que exige maior responsabilidade de todos nós”, advertiu.

Para o efeito, António Costa reiterou que o Governo definiu “um quadro de medidas que entram em vigor de 15 em 15 dias: 04 de maio, 18 de maio e 01 de junho”.

“Antes de cada uma destas fases, procederemos novamente a uma avaliação dos efeitos que tiveram as medidas anteriormente adotadas e avaliaremos se estamos em condições de, como esperamos e desejamos, podermos dar o passo seguinte para passar à fase subsequente”, declarou o líder do executivo.

António Costa defendeu depois que este é percurso que os cidadãos têm de fazer “com confiança”.

“Mas temos de fazer em conjunto. Os portugueses podem contar com a total determinação do Governo no sentido de adotar em qualquer momento e em quaisquer circunstâncias todas as medidas que forem necessárias para preservar a nossa saúde pública”, reforçou o primeiro-ministro.

Lusa/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Esclerose Múltipla

Cristiana Lopes Martins, fisiatra nos hospitais de Portimão e Lagos (Unidade Local de Saúde do Algarve) e na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano; Eduarda Afonso, fisiatra no hospital de Faro (Unidade Local de Saúde do Algarve)

Enfermeiros querem reunir com António Gandra d’Almeida

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) saudou esta quarta-feira a eleição de António Gandra d’Almeida como novo diretor executivo do Serviço Nacional de Saúde. Em declarações ao nosso jornal, o responsável afirmou que vai solicitar uma reunião com António Gandra d’Almeida e a nova equipa.

Fernando Araújo: Autorizações para contratar médicos “têm demorado menos que três dias úteis”

Na comissão parlamentar de Saúde, esta quarta-feira, Fernando Araújo apresentou os feitos da reforma do Serviço Nacional de Saúde e da equipa que liderou enquanto diretor executivo. A reforma “tem conseguido alterar esta burocracia, estes patamares administrativos, estes tempos que eram incomportáveis na gestão do SNS”, tendo decorrido com o envolvimento dos profissionais: “de baixo para cima”.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights