Plataforma para smartphone notifica automaticamente pessoas expostas ao novo coronavírus

20 de Maio 2020

As empresas norte-americanas Apple e Google disponibilizaram hoje uma plataforma para “smartphone” que notifica automaticamente as pessoas que possam ter sido expostas ao novo coronavírus.

Num comunicado conjunto, as duas tecnológicas indicaram que as aplicações estarão disponíveis para as autoridades sanitárias de todo o mundo e garantiram a privacidade dos dados.

“A partir de hoje, a nossa tecnologia está disponível para as agências de saúde pública” no iOS (Apple) e Android (Google), os dois sistemas de exploração de “smartphones”, lê-se no documento.

“O que construímos não é uma aplicação, mas mais um ‘interface’ de programação (API) que as agências de saúde poderão integrar nas suas próprias aplicações”, esclarecem as duas gigantes tecnológicas.

A sua utilização está agora no campo dos investigadores de cada país, que terão de construir uma aplicação para “smartphones” a partir dessa plataforma.

Na Europa, os países estão, na sua grande maioria, a privilegiar para uma aplicação que se apoia na ferramenta fornecida pela Apple e pela Google, mas a França e o Reino Unido optaram por uma aproximação diferente.

Ambas as aplicações nestes países estão ainda na fase de teste.

Muitos governos têm tentado, na maioria sem sucesso, desenvolver as suas próprias aplicações com o mesmo fim da apresentada hoje pela Apple e pela Google, de forma a combater a propagação do novo coronavírus.

Muitas dessas aplicações têm encontrado problemas técnicos nos telemóveis da Apple e Android, que não foram ainda politicamente aprovadas.

Ambas recorrem com frequência ao GPS para localizar as pessoas, algo que foi banido na nova ferramenta devido a questões ligadas à privacidade.

As agências de saúde públicas, desde a da Alemanha até às dos Estados norte-americanos de Alabama ou da Carolina do Sul, estavam a aguardar o modelo das duas gigantes tecnológicas, enquanto outros governos se debatem com legislação ligada à privacidade e à proteção de dados pessoais.

As duas empresas garantiram que não estão a substituir o rastreio de contactos, um pilar do controlo da infeção, o que obrigará a uma formação adequada dos que trabalham na área da saúde para que se possa contactar quem possa ter sido exposto à infeção.

No entanto, explicaram que o sistema de “notificação de exposição” automático agora desenvolvido pode aumentar o processo de deteção e atrasar a propagação da covid-19 pelos “transportadores do vírus” que interagem com estranhos e que ainda não têm os sintomas da doença.

A Apple e a Google insistiram na ideia de que a identidade dos utilizadores da aplicação está protegida por um identificador encriptado e anónimo.

“A aprovação do utilizador é a chave para o sucesso e acreditamos que esta forte proteção da privacidade são a melhor forma de encorajar o uso destas aplicações”, afirmaram as duas empresas.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 323 mil mortos e infetou quase 4,9 milhões de pessoas em 196 países e territórios. Mais de 1,8 milhões de doentes foram considerados curados.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Expansão do modelo ULS

Fernando Araújo é um dos autores de um artigo publicado na revista “Frontiers in Public Health”, em maio deste ano, que explica a história e perspetiva o futuro do modelo ULS.

Cérebro humano consegue distinguir vozes deepfake de vozes reais

Os nossos cérebros processam vozes naturais e vozes deepfake de forma diferente? Pesquisas realizadas na Universidade de Zurique indicam que sim. Num novo estudo, investigadores identificaram duas regiões cerebrais que respondem de maneira distinta a vozes naturais e a vozes deepfake.

Solidão e problemas de saúde mental estão interligados

Os resultados de um estudo realizado por investigadores da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NTNU), da Universidade de Oslo, da UiT Universidade do Ártico da Noruega, da OsloMet, do Hospital Universitário de Oslo e do Hospital Innlandet e publicados na BJPsych Open, mostram que pessoas solitárias têm maior probabilidade de tomar medicação para depressão, psicose e outros distúrbios mentais.

Pressão arterial elevada associada a pior cognição em adolescentes

Adolescentes com pressão arterial elevada e rigidez arterial podem experienciar funções cognitivas mais fracas, de acordo com um estudo recente finlandês realizado por investigadores das universidades de Jyväskylä e de Eastern Finland, ambas na Finlândia.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights