Ordem dos Médicos quer explicações sobre a demissão no Hospital Garcia de Orta

2 de Junho 2020

A Ordem dos Médicos manifestou-se preocupada com a demissão do diretor de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital Garcia de Orta, em Almada, e pediu explicações à administração, sublinhando as dificuldades sentidas naquele serviço nos últimos anos.

Numa carta dirigida ao diretor clínico do Garcia de Orta, o bastonário da Ordem dos Médicos (OM) recorda que ao longo dos últimos anos têm sido várias as dificuldades e obstáculos colocados ao serviço de Ginecologia/Obstetrícia e que o corpo clínico, “mesmo em circunstâncias difíceis e sem apoio do poder político ou da própria administração”, fez sempre um esforço para continuar a responder.

“Foi por isso com consternação que recebemos a notícia da demissão, por parte do Conselho de Administração, do diretor deste serviço (…), muito em particular depois de todas as carências de capital humano que atravessam e que só não tiveram mais impacto devido ao esforço de toda a equipa e ao papel congregador e aglutinador do diretor”, considera Miguel Guimarães.

Num comunicado emitido na passada sexta-feira, o conselho de administração do hospital afirma que “num ato de gestão interna, e na sequência de uma atuação institucionalmente incorreta da exclusiva iniciativa do diretor do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia para com o Conselho de Administração, que o próprio tornou pública, teve que agir em conformidade, decidindo a cessação da sua comissão de serviço”.

Na missiva da OM, a que a Lusa teve acesso, o bastonário pede à administração do hospital, na pessoa do diretor clínico, que explique e fundamente a decisão e questiona-a sobre o plano que tem para um serviço “já fragilizado e em que qualquer decisão que contrarie o sentimento no terreno pode prejudicar ainda mais a continuidade dos médicos e restantes profissionais de saúde”.

Recorda que, apesar dos vários alertas lançados no ano passado para o risco de encerramento da urgência da Ginecologia/Obstetrícia, “perante uma redução muito significativa do número de especialistas”, nada foi feito e sublinha que “a preocupação em negar a realidade foi maior do que a de resolver os problemas”.

Miguel Guimarães pede ainda esclarecimentos adicionais sobre o trabalho extraordinário a que os médicos deste serviço têm estado a ser sujeitos e que violarão os limites definidos por lei.

“Os médicos trabalham todos os dias para salvar vidas e muito para lá daquilo a que são obrigados. Isso ficou mais do que demonstrado durante esta pandemia”, sublinha o bastonário.

Considera ainda que os médicos “não podem ser coagidos a prestar horas extraordinárias desumanas e que, mais do que os impedir de compatibilizar a profissão com a vida pessoal, representam um risco para a segurança clínica”.

A demissão do diretor do serviço de Ginecologia/Obstetrícia do Garcia de Orta já tinha sido criticada pelo Sindicato Independente dos Médicos, que considera que a decisão foi tomada de forma “leviana”.

Em declarações à agência Lusa, o presidente do SIM disse que no princípio de março “os médicos do serviço já tinham ultrapassado as 150 horas semanais” de trabalho e que na reabertura dos serviços regulares “o conselho de administração, sem ouvir o diretor do serviço, quis impor uma carga horária ainda maior e um espaçamento entre consultas que põe em risco pacientes e profissionais”.

Revelou ainda que dezenas de profissionais do serviço subscreveram uma carta dirigida à administração onde declaram “veemente apoio” à continuidade em funções de Alcides Pereira.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights