Medicamentos antiepiléticos estão associadas a um maior risco de mortalidade em pessoas com Alzheimer

4 de Junho 2020

O uso de medicamentos antiepiléticos é associado a um risco mais elevado de mortalidade entre os pacientes com alzheimer, de acordo com um novo estudo da Universidade do Este da Finlândia. Os resultados foram publicados na revista Neurology

O risco de mortalidade aumenta consideravelmente durante os primeiros três meses de tratamento com drogas antiepiléticas, e foi mais alto entre pacientes que recorriam a medicamentos mais antigos, em comparação com utilizadores dos mais recentes. O risco de morte mantinha-se elevado depois da exclusão de pessoas com epilepsia mediante análise sensitiva.

O risco elevado manteve-se depois de ter sido assegurado um controlo para comorbidades, fatores sociodemográficos e o uso de outros medicamentos. Ainda assim, é possível que as razões para dar início a uma terapia antiepilética expliquem parcialmente os resultados e, consequentemente, estas informações deverão ser confirmadas em estudos posteriores.

Estas conclusões iniciais são preocupantes, uma vez que as pessoas com alzheimer utilizam medicamentos antiepiléticas mais frequentemente do que pessoas com qualquer outro tipo de doença. A associação entre o uso de antiepiléticos e a mortalidade nesta população nunca foi estudada antes.

Os resultados salientam o cuidado na prescrição destes medicamentos para outras indicações que não de epilepsia para o grupo vulnerável. Até 1% da população necessita de tratamento crónico antiepilético para controlar a epilepsia. Estes fármacos são também frequentemente utilizados para outras indicações, incluindo dor neuropática e sintomas comportamentais e psicológicos de demência, ainda que os medicamentos antiepiléticos não sejam oficialmente indicados para o tratamento destas condições.

Os estudos são baseados na recolha de dados finlandesa efetuada a nível nacional, que inclui todas as pessoas registadas como tendo alzheimer no país entre 2005 e 2011 (70.718 pessoas). Os dados relativos ao uso do medicamento antiepilético foram extraídos do Registo de Receitas. O risco de mortalidade foi comparado entre utilizadores de medicamentos antiepiléticos com alzheimer, e pessoas com alzheimer que não recorrem a este tipo de medicação. O estudo, financiado pela Academia da Finlândia, foi conduzido na Universidade do Este da Finlândia.

NR/HN/João Daniel Ruas Marques

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos junta partidos para debater o setor antes das legislativas

A Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos (APJF) vai organizar, no próximo dia 26 de fevereiro, um debate público para discutir as principais preocupações do setor farmacêutico para os próximos anos. O evento “Prioridades para o Ecossistema Farmacêutico e da Saúde”, a ter lugar no Centro Ciência Viva, em Lisboa, vai reunir representantes dos partidos políticos num debate que antecede as eleições legislativas. 

Workshop sobre Obesidade assinala Dia Mundial no Porto

No próximo dia 4 de março, Dia Mundial da Obesidade, a cidade do Porto acolhe um workshop gratuito sobre Obesidade, com o intuito de se falar abertamente sobre esta doença que afeta quase mil milhões de pessoas em todo o mundo.

A FEPODABES lança a campanha É HORA DE AJUDAR

O Presidente da FEPODABES, Alberto Mota, deixa o apelo: “todos os cidadãos com mais de 18 anos, que tenham mais de 50kg e que sejam saudáveis podem dar sangue. Esse gesto simples contribui para salvar muitas vidas”.

Cancer Summit da MSD regressa com o mote “Salvar e Melhorar Vidas”

No dia 24 de fevereiro, no Altice Arena, realiza-se a 3.ª edição do Cancer Summit, um evento na área da Oncologia da MSD Portugal. A iniciativa tem como mote “Salvar e Melhorar Vidas” e pretende promover a qualidade dos cuidados prestados aos doentes oncológicos a nível nacional.

95% concorda com alargamento da vacinação às farmácias

Os resultados preliminares do inquérito de satisfação realizado à população sobre a época vacinal 2023-2024 revelam que a maioria dos portugueses (95%) concorda com a administração das vacinas contra a gripe e a covid-19 nas farmácias, em colaboração com o SNS.

SIM defende obrigatoriedade de médico próprio nos lares de idosos

O Sindicato Independente dos Médicos defende a obrigatoriedade da existência de médico próprio nas Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI). Em comunicado, lamenta que a proposta apresentada em reunião com a secretária de Estado da Segurança Social continue sem resposta.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights