Raquel Coelho Pediatra, Coordenadora do Departamento de Crianças e Jovens da Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal

Impacto da diabetes tipo 1 nas crianças e jovens

06/09/2020

[xyz-ips snippet=”Excerpto”]

Impacto da diabetes tipo 1 nas crianças e jovens

09/06/2020 | Consultório

A diabetes tipo 1 é uma doença metabólica caracterizada por hiperglicemia por deficiência de insulina, resultante da perda de células beta pancreáticas. Manifesta-se mais frequentemente em crianças, adolescentes e jovens adultos, sendo uma das doenças crónicas com maior prevalência em idade pediátrica.
O tratamento da diabetes tipo 1 implica insulina, através de múltiplas administrações subcutâneas diárias ou de um sistema de perfusão contínua de insulina. O objetivo é mimetizar a secreção fisiológica de insulina e manter a glicemia no intervalo alvo (70-180mg/dl). A dose de insulina a administrar deve ser ajustada de acordo com a glicemia, a alimentação e a atividade física. Na prática, é fundamental monitorizar a glicemia várias vezes por dia e calcular os hidratos de carbono a ingerir. O tratamento intensivo, mais fisiológico e associado a um menor risco de complicações, permite melhor controlo metabólico, mas exige motivação, empenho e rigor. A par de um eficaz controlo metabólico e da evicção de complicações, é fundamental promover o bem-estar geral e a qualidade de vida.
A educação terapêutica, multidisciplinar, personalizada e abrangente é uma ferramenta essencial para capacitar a criança ou jovem e a família para a gestão dos diversos desafios do dia-a-dia, para promover a integração plena da criança na vida escolar, social e familiar, e minimizar o impacto negativo que a diabetes pode acarretar. A equipa escolar deve também ser incluída neste processo para garantir a continuidade dos cuidados na escola. O objetivo é que o aluno com diabetes tenha as mesmas oportunidades e participe, integralmente e em segurança, em todas as atividades escolares e extracurriculares, nomeadamente as aulas de educação física, passeios ou viagens de estudo. A criança ou jovem com diabetes, a sua família, os profissionais de saúde e a equipa escolar devem privilegiar a comunicação, trabalhando em equipa com uma meta comum.
Particularmente nestes tempos em que se vive uma pandemia, que exige mudanças e adaptações de vária ordem, é urgente inovar e promover hábitos saudáveis, evitando rotinas sedentárias e uma alimentação desadequada. Tal como para a idade pediátrica em geral, recomenda-se que a atividade física seja diária (pelo menos 1 hora por dia) e as atividades lúdicas de ecrã limitadas (menos de duas horas por dia em crianças com idade superior a 5 anos). Ocupar o tempo de forma adequada com criatividade e dinamismo contribui para a saúde, isto é, para o bem-estar físico, mental e social

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Investigadores conseguem mapear comunicação do cancro do pâncreas

Investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) da Universidade do Porto conseguiram, através de um “espião colorido”, mapear a comunicação do cancro do pâncreas, abrindo portas para novas terapias, foi esta quinta-feira anunciado.

Estudo propõe critérios para atualização periódica do pagamento da hemodiálise

O estudo “Preço compreensivo da hemodiálise em Portugal”, do especialista em economia da saúde Eduardo Costa, conclui que a introdução de um modelo dinâmico de preço compreensivo e a eventual revisão do modelo de gestão integrada da doença renal crónica serão instrumentos cruciais para garantir a continuidade da excelência dos cuidados de hemodiálise.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights