Lisboa é a 106.ª cidade mais cara do mundo quanto ao custo de vida

9 de Junho 2020

Lisboa é a 106.ª cidade mais cara do mundo em termos de custo de vida, descendo 11 posições no 'ranking' em relação ao ano passado, num estudo da Mercer hoje divulgado e que é liderado por Hong Kong.

De acordo com o estudo global sobre o Custo de Vida de 2019 da Mercer (‘Cost of Living Survey’), Lisboa “desceu 11 posições no ranking, posicionando-se à frente de cidades como Luanda, que estava na primeira posição em 2017.

Luanda é a 115.ª cidade mais cara do mundo em termos de custo de vida, descendo 89 posições em relação ao ano passado (26.ª).

No ‘ranking’ agora divulgado, Hong Kong mantém a posição de cidade mais cara do mundo, em oposição a Tunes (Tunísia), a cidade menos cara.

A cidade de Hong Kong figura no top do ‘ranking’ das cidades mais caras para expatriados, seguida de Ashgabat, no Turquemenistão, que ocupa a segunda posição.

Tóquio e Zurique mantêm-se nos 3.º e 4.º lugares, respetivamente, ao passo que Singapura, que ocupa o 5.º lugar, desceu dois lugares, comparativamente ao ano de 2019.

Outras cidades que se encontram no top 10 são Nova Iorque (5), Xangai (7), Berna (8), Genebra (9), e Pequim (10).

As cidades menos caras para expatriados são Tunes (209), Windhoek, Namíbia (208), e Toshkent (Usbequistão) e Bishkek (Quirguistão), que empatam no 206.º lugar.

Através do estudo foi ainda possível concluir que o preço da gasolina em Lisboa (1,61 euros por litro de gasolina 95 octanas) é dos mais elevados tendo em conta as restantes cidades do ‘ranking’.

Por outro lado, e comparativamente com a cidade mais cara do ‘ranking’, o preço médio de produtos de limpeza, que inclui antisséticos, produtos de limpeza de casa ou detergente para máquina de lavar loiça, Lisboa apresenta um custo médio de 32,90 euros e em Hong Kong é de 37,80 euros.

Os dados do estudo foram recolhidos em março pela Mercer, que concluiu que as flutuações de preço em muitas regiões não se revelaram significantes devido à pandemia de covid-19.

O estudo inclui mais de 500 cidades em todo o mundo, sendo que o ‘ranking’ deste ano integra 209 cidades distribuídas pelos cinco continentes e analisa e compara os custos de mais de 200 itens em cada local, entre eles alojamento, transportes, comida, roupa, bens domésticos e entretenimento.

O estudo da Mercer conclui que “um conjunto de fatores, incluindo flutuações cambiais, custo da inflação no que se refere a bens e serviços e a volatilidade dos preços de alojamento, contribuem para o custo geral dos ‘pacotes de expatriados’ para colaboradores em tarefas internacionais”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos junta partidos para debater o setor antes das legislativas

A Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos (APJF) vai organizar, no próximo dia 26 de fevereiro, um debate público para discutir as principais preocupações do setor farmacêutico para os próximos anos. O evento “Prioridades para o Ecossistema Farmacêutico e da Saúde”, a ter lugar no Centro Ciência Viva, em Lisboa, vai reunir representantes dos partidos políticos num debate que antecede as eleições legislativas. 

Workshop sobre Obesidade assinala Dia Mundial no Porto

No próximo dia 4 de março, Dia Mundial da Obesidade, a cidade do Porto acolhe um workshop gratuito sobre Obesidade, com o intuito de se falar abertamente sobre esta doença que afeta quase mil milhões de pessoas em todo o mundo.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights