Mário André Macedo Enfermeiro Especialista em Saúde Infantil

Racismo é um problema de saúde pública

06/09/2020

[xyz-ips snippet=”Excerpto”]

Racismo é um problema de saúde pública

09/06/2020 | Opinião | 3 comments

O racismo acentua as desigualdades no estado saúde entre populações historicamente carenciadas e marginalizadas. Encontra-se incluído nos determinantes sociais da saúde, os principais preditores do estado de saúde dos indivíduos, o estatuto de indivíduo racializado, que reforça a influência dos restantes determinantes.

A escolaridade, situação face ao trabalho, tipo de emprego, rendimento e local de residência tudo conflui para uma inexorável influência no estado de saúde. Devido à intensa interligação entre todas estas dimensões, a fronteira por vezes torna-se demasiado ténue para perceber qual a precisa extensão da influência de cada uma.

Em Portugal, relativamente a migrantes africanos e afrodescendentes, existe evidência de uma maior mortalidade tanto na população adulta como na idade perinatal. Com menor acesso aos cuidados de saúde preventivos, obtém um maior número de internamentos e de maior duração na idade pediátrica, o que evidência um pior estado de saúde.

Os impactos de crescer num ambiente, onde a criança é julgada pela cor da sua pele, em que são criadas expectativas sobre o seu futuro baseadas na sua ascendência, refletem-se consequentemente na sua saúde mental. Desde diminuição da auto-estima, depressão ou a adoção de comportamentos aditivos.

O racismo é uma relação de poder, que entrega maiores oportunidades a alguns indivíduos em detrimento de outros, tendo por base uma perceção social da aparência física. Na região de Lisboa, num estudo efetuado aos pais de crianças internadas, conclui-se que 98,5% dos pais ciganos tinha no máximo 9 anos de escolaridade, sendo de 54,16% o valor para a comunidade africana e afrodescendente e 39,9% para pais caucasianos.

O acesso aos restantes determinantes sociais não é efetuado de maneira equitativa, o que condiciona a forma como as pessoas estudam e trabalham, assim como o nível de literacia em saúde que desenvolvem. Este facto não é um pormenor. Uma menor literacia em saúde está a associada a maior carga de doença, dificuldade em cumprir regimes terapêuticos – assim como utilizar equipamentos de proteção individual – ou a uma maior utilização dos serviços de saúde, que são naturalmente, locais de risco acrescido.

O racismo prejudica a saúde dos portugueses, ao impedir que alguns indivíduos consigam atingir o seu grau máximo de saúde individual. Desta forma, o racismo torna-se uma questão de saúde pública. É necessária uma abordagem metodológica que produza uma resposta sistémica para este problema. O combate ao racismo também contribui para atingir uma maior equidade em saúde.

3 Comments

  1. Ângela

    Objetivo e pertinente ???

  2. Carlos Almeida

    Excelente artigo Mário, falas te pouco mas bem?

  3. Alexandre Sobral

    Para refletir! Ponto de vista interessante

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos junta partidos para debater o setor antes das legislativas

A Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos (APJF) vai organizar, no próximo dia 26 de fevereiro, um debate público para discutir as principais preocupações do setor farmacêutico para os próximos anos. O evento “Prioridades para o Ecossistema Farmacêutico e da Saúde”, a ter lugar no Centro Ciência Viva, em Lisboa, vai reunir representantes dos partidos políticos num debate que antecede as eleições legislativas. 

Workshop sobre Obesidade assinala Dia Mundial no Porto

No próximo dia 4 de março, Dia Mundial da Obesidade, a cidade do Porto acolhe um workshop gratuito sobre Obesidade, com o intuito de se falar abertamente sobre esta doença que afeta quase mil milhões de pessoas em todo o mundo.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights