ONU alerta que pandemia está a atrasar luta contra casamento infantil e mutilação genital

30 de Junho 2020

A pandemia de Covid-19 está a atrasar a luta contra o casamento infantil e a mutilação genital feminina, alertou o Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP), que apresenta o seu relatório anual esta terça-feira.

De acordo com a agência das Nações Unidas, apesar de existirem poucos dados sobre o impacto da pandemia de Covid-19 nas práticas nocivas contra as raparigas – casamento infantil, mutilação genital feminina e a seleção sexual – é já certo que os programas concebidos para acabar com o casamento infantil e a mutilação genital feminina “estão a enfrentar sérios atrasos na implementação”.

Por outro lado, aponta o FNUAP, as perturbações económicas relacionadas com a pandemia “estão a aumentar a vulnerabilidade das raparigas” aquelas práticas nocivas de sobrevivência.

De acordo com uma análise do FNUAP, Avenir Health, Johns Hopkins University (EUA) e Victoria University (Austrália), se a pandemia causar um atraso de dois anos nos programas de prevenção da mutilação genital feminina, os investigadores projetam para a próxima década a existência de dois milhões de casos de mutilação genital feminina que teriam sido evitados.

Se a pandemia causar um atraso médio de um ano nas intervenções para pôr fim ao casamento infantil, prevê-se que na próxima década ocorram mais 7,4 milhões de casamentos de crianças que poderiam ter sido evitados, uma estimativa considerada conservadora.

Por outro lado, prevê-se que a recessão económica causada pela pandemia resulte numa estimativa de 5,6 milhões de casamentos infantis adicionais a ocorrer entre 2020 e 2030.

O efeito total da pandemia de Covid-19 está projectado para resultar em 13 milhões de casamentos adicionais de crianças.

O relatório do Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP) sobre a situação da população mundial em 2020 é lançado esta terça-feira com o título “Against my will: defying the practices that harm women and girls and undermine equality (Contra a minha vontade: desafiar práticas que magoam as mulheres e meninas e prejudicam a igualdade).

Em Portugal, o relatório será apresentado ao início da tarde de hoje pela embaixadora de Boa Vontade do FNUAP, Catarina Furtado, e pela diretora do escritório do fundo em Genebra, Mónica Ferro.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights