Francisco Ramos acusa Associação de Farmácias de ter sido “obstáculo” na vacina da gripe

16 de Dezembro 2020

A exclusão das farmácias da primeira fase de vacinação contra a Covid-19 foi esta quarta-feira justificada pelo coordenador da ‘task-force’ com o “erro” na vacina da gripe, acusando a Associação Nacional de Farmácias (ANF) de ter sido “obstáculo” ao sucesso.

Numa intervenção proferida por videoconferência na audição conjunta da Comissão de Saúde e da Comissão Eventual para o acompanhamento da aplicação das medidas de resposta à pandemia, na Assembleia da República, Francisco Ramos reiterou que “gostaria muito de considerar as farmácias” já para a vacinação, mas sustentou que os interlocutores para esse processo são “um problema” a resolver.

“A forma como foi gerido esse processo não correu bem e quero reafirmar que as farmácias foram vítimas também de uma deficiente organização. A minha avaliação é que a responsabilidade desse insucesso é da maior associação representativa das farmácias [Associação Nacional de Farmácias]. A sua participação no processo foi mais um obstáculo ao sucesso do que uma ajuda, ajudando a criar falsas expectativas à população”, afirmou.

Francisco Ramos foi mais longe e lembrou que “com dois milhões de doses não se vacina a população inteira” contra a gripe sazonal, considerando que a associação representativa das farmácias criou uma “falsa noção” da acessibilidade à vacina. Nesse sentido, justificou que os centros de saúde serão os responsáveis pela vacinação contra a Covid-19 na primeira fase por poderem “garantir que o processo decorre da melhor forma possível”.

Para a primeira fase do plano de vacinação, prevista entre janeiro e março de 2021, os pontos de vacinação foram definidos tendo em consideração os grupos prioritários no acesso à vacina: as pessoas com mais de 50 anos com patologias associadas, residentes e trabalhadores em lares, e profissionais de saúde e de serviços essenciais.

Por isso, a vacina será administrada nos cerca de 1.200 pontos de vacinação habituais dos centros de saúde, nos lares e unidades de cuidados continuados e no âmbito da medicina do trabalho para os profissionais dos serviços essenciais.

Portugal contabiliza pelo menos 5.733 mortos associados à Covid-19 em 353.576 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Limitações nas urgências por região

A Direção Executiva do Serviço Nacional de Saúde divulgou hoje um novo plano de reorganização das urgências, que indica que 39 pontos vão funcionar com limitações nalgumas especialidades entre os dias 03 e 09 de dezembro.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights