Psicólogos defendem que fadiga, falta de respostas e comunicação explicam comportamentos

18 de Janeiro 2021

Os psicólogos defendem que a fadiga pandémica, as falhas na comunicação ao longo dos meses e a falta de resposta nos centros de saúde para a saúde mental explicam o comportamento dos portugueses que parecem desvalorizar a gravidade da pandemia.

Questionado pela Lusa sobre o que justifica que, com os recordes de infeções diárias e óbitos por Vovid-19 a serem batidos quase diariamente, em confinamento, ainda se continuem a verificar aglomerados de gente na rua sem máscara, como aconteceu este fim de semana, o bastonário da Ordem dos Psicólogos lembra que, quando se fala em saúde mental, “é o acumular de situações que pesa nos comportamentos”.

“Não é um fenómeno que surja do nada, este fim de semana toda a gente acordou assim, mas temos de recuar e olhar para o processo ao longo destes meses de pandemia”, sublinha Francisco Miranda Rodrigues.

O especialista explica que “as pessoas estão muito cansadas, muitas delas exaustas e com muita dificuldade em gerir as diferentes dimensões da sua vida num contexto destes” e que, agora, tendo em conta a situação epidemiológica, se assiste a uma espécie de “disruptura face às necessidades humanas que não podem ser desvalorizadas”.

“Independentemente de não devermos ter determinado tipo de comportamento, isso não significa que não sintamos a necessidade de os ter”, recorda, frisando que “nem todos têm as mesmas ferramentas emocionais para lidar com este problema” e que é urgente haver respostas nos cuidados de saúde primários.

“Quanto mais cansados estivermos mais a tomada de decisão [sobre os comportamentos a ter] é automática, mais emocional, e podemos cometer mais erros, ser mais enviesados [na análise]”, acrescenta.

O bastonário destaca também a falta de respostas na área da saúde mental, afirmando que a resposta criada com o poio através da Linha SNS 24 é curta: “Embora tenham sido ciadas algumas respostas, a verdade e que estas respostas, face à dimensão da crise que estamos a atravessar, não são suficientes, particularmente para aquelas pessoas que têm mais vulnerabilidades e menos recursos”.

Sobre a comunicação, o bastonário da Ordem dos Psicólogos dá o exemplo do natal, quando a perceção de risco da população já era baixa e os sinais que foram dados, com o aligeirar de medidas, foram em sentido contrário.

“Após a reunião do Governo com os especialistas percebeu-se que há uma queda clara na perceção de risco e isso tem que ver com conjunto de circunstâncias. Se na dimensão da comunicação não se trabalha para aumentar a perceção de risco, é isso que as pessoas vão ler”, disse.

“Depois, quando aparece a mensagem ‘agora é a sério’, isso não é imediato. As pessoas não conseguem fazer essa leitura de imediato”, acrescenta.

O bastonário lembra a necessidade de estabilizar a mensagem para acertar o alvo: “Tendo em conta perceção de risco que pelos vistos existia da população que já era baixa, interrogo-me sobre o que terá estado na origem de se ter feito uma comunicação e tomado medidas menos agravadas no natal”.

“Porque é que as mensagens e as medidas nessa altura não foram coerentes com a necessidade que agora se percebe (…) de que se devia ter feito o contrário para aumentar a perceção de risco da população”, questiona.

Francisco Miranda Rodrigues admite que possa ter havido “uma intenção de aliviar o impacto psicológico [da pandemia]”, mas equaciona “se não terá sido pouco coerente face à perceção de risco, que já era baixa”, recordando, contudo, que este “é um equilíbrio muito difícil de se conseguir”.

Ainda sobre a dificuldade de perceção das mensagens, o bastonário diz que, ao longo dos meses, era preciso definir para que grupo populacional se está a comunicar e usar um canal específico, dirigido a esse grupo, e não falar como se fosse para todos.

“Por exemplo, se nos adolescentes a perceção de risco é mais baixa, tenho de passar a mensagem apenas para esse grupo, e não fazer uma comunicação para a população em geral, dirigida a esse grupo. Senão vai ser uma baralhação”, explica o bastonário, sublinhando que “só assim se consegue aumentar a perceção de risco e mudar comportamentos”.

“O que se assistiu foi a uma comunicação dirigida a grupos diferentes pelos menos canais e isso leva a que as pessoas dos outros grupos recebam mensagens que não lhes eram dirigidas. Esta confusão de mensagens cria ruído e já sabemos que quando há muita confusão, as pessoas desligam”, afirmou.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights