Abraço aguarda há 10 meses por equipamento de proteção que deviam ser entregues pela DGS

28 de Janeiro 2021

A associação Abraço revelou esta quinta-feira que aguarda há 10 meses pelos equipamentos de proteção individual que deviam ser assegurados pela Direção-Geral da Saúde, alertando que a falta deste material coloca em risco profissionais e utentes.

A presidente da associação, Cristina Sousa, explicou à agência Lusa que a entrega deste material ou verbas dirigidas para esse fim devia ser feita pela DGS, ao abrigo do Programa Nacional para a infeção VIH/SIDA, que financia “uma série de projetos da Abraço, nomeadamente o apoio domiciliário, o lar residencial e os centros de rastreio que estão espalhados pelo país”.

Segundo Cristina Sousa, a entrega dos equipamentos de proteção individual (EPI) estava prevista acontecer deste o início da pandemia em março, mas ainda não ocorreu.

“Isto implica que a Abraço tenha que comprar EPI para os funcionários, implica que a Abraço nem sempre utilize os EPI adequados”, disse, exemplificando que os funcionários deviam utilizar uma máscara P2, mas em vez disso usam uma máscara cirúrgica.

Cristina Sousa adiantou que para a associação não gastar tanto dinheiro, “que não tem”, solicita donativos em EPI a empresas, mas não sabe se são os mais seguros.

“Sentimos que somos um bocadinho esquecidos porque os projetos financiados pela Segurança Social, através de acordos, têm financiamento e conseguiram garantir estes equipamentos em lares e nos seus projetos, o SICAD, na área da toxicodependência, também garantiu linhas de financiamento e para nós não foi encontrada nenhuma alternativa”, lamentou.

Segundo a responsável, a não entrega deste equipamento por parte da DGS, além de colocar em risco profissionais e utentes, obrigou a Abraço a ajustar o seu orçamento para adquirir, de forma regular, os equipamentos para as diferentes equipas de trabalho, que todos os dias permitem dar resposta às diferentes necessidades dos pacientes VIH/sida.

“A situação agrava-se num ano em que a própria associação, devido à situação pandémica, viu reduzidas as suas fontes de rendimento, uma vez que ficou impedida de realizar eventos, como é o caso da conhecida Gala Abraço, que acontece todos os anos, no dia 01 de dezembro”, refere a associação.

“Sabendo nós que a pandemia está para durar a resposta é tardia, mas se não vem rapidamente vai ser muito complicado para nós”, disse Cristina Sousa, adiantando que o lar da Abraço tem oito pessoas e acompanham cerca de 120 pessoas diariamente em apoio domiciliário no Porto e em Lisboa.

De acordo com a presidente da associação, a resposta que chega à Abraço é para esperar. “Dizem-nos que estão a tentar fazer pressão no sentido de comprarem os EPI e nos fazerem chegar”.

“É muito complicado. Não compramos material suficiente porque acreditamos que vai chegar e depois estamos sempre a comprar material a preço muito superior”, lamentou.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos junta partidos para debater o setor antes das legislativas

A Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos (APJF) vai organizar, no próximo dia 26 de fevereiro, um debate público para discutir as principais preocupações do setor farmacêutico para os próximos anos. O evento “Prioridades para o Ecossistema Farmacêutico e da Saúde”, a ter lugar no Centro Ciência Viva, em Lisboa, vai reunir representantes dos partidos políticos num debate que antecede as eleições legislativas. 

Workshop sobre Obesidade assinala Dia Mundial no Porto

No próximo dia 4 de março, Dia Mundial da Obesidade, a cidade do Porto acolhe um workshop gratuito sobre Obesidade, com o intuito de se falar abertamente sobre esta doença que afeta quase mil milhões de pessoas em todo o mundo.

A FEPODABES lança a campanha É HORA DE AJUDAR

O Presidente da FEPODABES, Alberto Mota, deixa o apelo: “todos os cidadãos com mais de 18 anos, que tenham mais de 50kg e que sejam saudáveis podem dar sangue. Esse gesto simples contribui para salvar muitas vidas”.

Cancer Summit da MSD regressa com o mote “Salvar e Melhorar Vidas”

No dia 24 de fevereiro, no Altice Arena, realiza-se a 3.ª edição do Cancer Summit, um evento na área da Oncologia da MSD Portugal. A iniciativa tem como mote “Salvar e Melhorar Vidas” e pretende promover a qualidade dos cuidados prestados aos doentes oncológicos a nível nacional.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights