Japão não vê necessidade de vacinação em massa para os Jogos Olímpicos

28 de Janeiro 2021

Os organizadores dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, agendados para o verão, defenderam esta quinta-feira que não veem necessidade de vacinação em massa no Japão para poder receber o evento, já que se preparam “para todos os cenários possíveis”.

O comité organizador de Tóquio2020 reafirmou a determinação em organizar o evento no próximo verão “em qualquer situação”, que inclui também as possibilidades “de que não haja vacinas eficazes” ou “de que um grande número de pessoas não possa ser vacinado”.

“Estamos convencidos de que todas essas dúvidas serão esclarecidas no dia da abertura dos Jogos”, disse o presidente do comité organizador, Yoshiro Mori, após o chefe do Comité Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, afirmar que a organização “não perde tempo em conjeturas” e que está focada na data da cerimónia de abertura, 23 de julho.

Os organizadores destacaram que estão a ponderar um amplo leque de planos para diferentes possibilidades perante a evolução da pandemia de Covid-19, o que afetará as medidas de prevenção do contágio entre atletas e a presença do público nas bancadas, questões que devem ser definidas nos próximos meses.

Uma das medidas em análise passa pela inoculação de vacinas entre atletas estrangeiros, que o COI promoverá embora não deva ser obrigatória, assim como a vacinação em larga escala no Japão, processo que não terá início até o final de fevereiro e que irá durar meses.

“Temos de ter muita paciência com os preparativos da vacina”, disse Muto, que lembrou que cada país “tem as suas próprias medidas sanitárias”, pelo que ainda é necessário “discutir diferentes cenários futuros antes de se chegar a conclusões”.

O comité organizador “espera que a vacina seja dada ao maior número de pessoas possível”, tanto no Japão como em atletas estrangeiros e potenciais visitantes, embora esta medida não seja uma condição indispensável para a celebração dos Jogos.

No que diz respeito ao acesso de estrangeiros ao país para os Jogos e à sua presença nas bancadas olímpicas, os anfitriões também lidam com “diferentes tipos de cenários”, incluindo a realização de competições à porta fechada, disse Muto.

O diretor executivo do comité organizador realçou, no entanto, que os promotores de Tóquio2020, a decorrer entre 23 de julho e 08 de agosto, “não querem organizar Jogos sem espetadores”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos junta partidos para debater o setor antes das legislativas

A Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos (APJF) vai organizar, no próximo dia 26 de fevereiro, um debate público para discutir as principais preocupações do setor farmacêutico para os próximos anos. O evento “Prioridades para o Ecossistema Farmacêutico e da Saúde”, a ter lugar no Centro Ciência Viva, em Lisboa, vai reunir representantes dos partidos políticos num debate que antecede as eleições legislativas. 

Workshop sobre Obesidade assinala Dia Mundial no Porto

No próximo dia 4 de março, Dia Mundial da Obesidade, a cidade do Porto acolhe um workshop gratuito sobre Obesidade, com o intuito de se falar abertamente sobre esta doença que afeta quase mil milhões de pessoas em todo o mundo.

A FEPODABES lança a campanha É HORA DE AJUDAR

O Presidente da FEPODABES, Alberto Mota, deixa o apelo: “todos os cidadãos com mais de 18 anos, que tenham mais de 50kg e que sejam saudáveis podem dar sangue. Esse gesto simples contribui para salvar muitas vidas”.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights