Perto de dois milhões de máscaras sem qualidade detetadas no porto de Sines

28 de Janeiro 2021

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) detetou em Sines, e recusou a importação, de quase dois milhões de máscaras de proteção individual que não cumpriam requisitos europeus de segurança dos produtos, anunciou esta quinta-feira a AT.

No total, foram detetadas 1.920.000 máscaras de proteção individual, produzidas na China, destinadas a ser introduzidas no consumo em Portugal, apesar de não cumprirem os requisitos das normas europeias de segurança dos produtos, pelo que a sua importação foi recusada pela AT.

O incumprimento foi detetado numa ação de controlo da delegação aduaneira de Sines, no âmbito do controlo de fronteira externa para detetar medicamentos, equipamentos médicos ou equipamentos de proteção individual não licenciados, de qualidade inferior ou falsificados.

Segundo a AT, em comunicado divulgado na sua página, as máscaras e outros equipamentos de proteção individual, utilizados no combate à propagação da doença Covid-19, têm “a máxima prioridade ao desalfandegamento”, por serem considerados essenciais no combate à pandemia.

Mas ressalva que essa prioridade não invalida que acautele também, nos produtos que chegam a Portugal, o cumprimento de requisitos de segurança previstos na legislação europeia.

Os produtos não conformes são classificados como perigosos para a saúde, por poderem “ser veículos de mais intensa propagação do vírus, dando uma falsa sensação de segurança os seus utilizadores”, conclui a AT.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights