Madeira já administrou mais de 81 mil vacinas desde dezembro

27 de Abril 2021

A Madeira já administrou 81.673 vacinas contra a Covid-19 desde 31 de dezembro de 2020, indicou esta terça-feira a Direção Regional de Saúde, referindo que 60.077 correspondem à primeira dose e 21.596 à segunda dose.

“Isto significa que 8,5% da população residente tem já a vacinação completa e 23,6% uma dose da vacina”, refere a autoridade de saúde, explicando que as pessoas inoculadas integram os grupos prioritários definidos de acordo com a alocação de vacinas à região autónoma.

A Direção Regional de Saúde sublinha que no decurso desta semana será dada continuidade à vacinação contra a Covid-19 em todo o arquipélago, com destaque para a ilha do Porto Santo, nos dias 30 de abril e 01 de maio.

A região autónoma estima receber mais 10.000 doses da vacina AstraZeneca ainda este mês e dois lotes da Pfizer, num total de 122.850 doses, entre maio e junho.

O secretário regional da Saúde, Pedro Ramos, disse hoje que deverá também ser alocado à região 2,5% do total de 1,25 milhões de doses da vacina da Johnson & Johnson que Portugal pretende adquirir.

O governante, que falava à margem da sessão de abertura da Cimeira das Regiões de Saúde 2021, no Funchal, indicou que os trabalhadores do setor do turismo vão ser vacinados em massa, de modo a preparar a “recuperação da economia”, já a partir do mês de maio.

O Plano Regional de Vacinação Covid-19, que teve início em 31 de dezembro de 2020, estabelece três fases, a começar pelos grupos prioritários, ao que se seguem as pessoas com comorbilidades e, depois, o resto da população.

A estimativa aponta que sejam vacinadas 50 mil pessoas na primeira fase; outras 50 mil na segunda fase, e, por fim, 100 mil pessoas.

De acordo com os dados mais recentes da Direção Regional da Madeira, o arquipélago da Madeira, com cerca de 260 mil habitantes, regista 264 casos ativos de infeção por SARS-CoV-2, num total de 8.895 confirmados desde o início da pandemia, e 71 mortos associados à doença.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

O Valor da Incerteza

Lara Cunha: Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica; Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

João Rocha: “Não é possível ter empresas ou hospitais desenvolvidos se não tivermos uma base forte na infraestrutura científica”

“Apenas gostaria de salientar que é necessário investir em ciência no país para que se possa desenvolver investigação de nível internacional. Que esse investimento em ciência aconteça, porque não está a acontecer como devia. (…) Tem de ser uma prioridade porque sem essa prioridade o país não será competitivo no mundo moderno. Não é possível ter empresas ou hospitais desenvolvidos se não tivermos uma base forte na infraestrutura científica”, afirmou o coordenador do Centro Português de Ressonância Magnética Nuclear, entrevistado na sequência da inauguração desta nova infraestrutura da Universidade de Aveiro, que aloja um equipamento único na Península Ibérica que pode ser utilizado na área da saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights