Avaria em equipamento no Hospital D. Estefânia resolvida sem pôr em causa cirurgias, esclarece CHULC

7 de Outubro 2021

 O Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC) esclareceu esta quinta-feira que a avaria detetada num equipamento utilizado na cirurgia urológica no Hospital D. Estefânia foi rapidamente ultrapassada, não colocando em causa a atividade cirúrgica programada naquele hospital.

O esclarecimento do centro hospitalar surge na sequência de notícias publicadas a propósito da questão colocada pelo Partido Ecologista “Os Verdes” ao Ministério da Saúde, sobre a alegada falta de material cirúrgico no Hospital de D. Estefânia.

O equipamento em causa (Laser para Litotrícia) foi “rapidamente substituído”, assim que foi detetada a avaria, estando já disponível, adianta numa nota enviada à Lusa o CHULC, que integra os hospitais S. José, D. Estefânia, Curry Cabral, Santa Marta, Santo António dos Capuchos e Maternidade Alfredo da Costa.

Sublinha ainda que a avaria não colocou em causa a atividade cirúrgica programada e que “estão inclusivamente agendadas cirurgias para as próximas semanas”.

O partido Ecologista “Os Verdes” questionou na quarta-feira o Ministério da Saúde, através da Assembleia da República, sobre se tem conhecimento de adiamento de cirurgias no serviço de urologia do Hospital D. Estefânia.

“Confirma o Governo que esse adiamento se deve a falta de material para realizar as cirurgias”, questionava o partido, pedindo para saber “qual a razão para se ter chegado a esta situação”.

De acordo com informações que o grupo parlamentar recebeu, havia “pelo menos sete cirurgias adiadas” por causa da falta de materiais para as realizar, uma das quais de “uma criança com 4 anos” com um diagnóstico de “Cálculo Renal Coraliforme, apresentando grande perda hemática na urina, cuja cirurgia não pôde ser realizada por falta de material, nomeadamente de Laser para Cálculos Renais”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights