Vencedor do Nobel da Paz russo diz que teria dado prémio ao opositor Alexei Navalny

8 de Outubro 2021

O vencedor russo do Prémio Nobel da Paz, Dmitry Muratov, disse esta sexta-feira que teria atribuído a distinção a Alexei Navalny, opositor do regime do Presidente Vladimir Putin.

“Teria votado na pessoa em quem as casas de apostas estavam a apostar. E essa pessoa tem todo o futuro pela frente. Falo de Alexei Navalny”, disse o editor do jornal russo Novaya Gazeta, dedicando mais uma vez o seu prémio aos colaboradores da sua Redação que foram assassinados.

Muratov foi distinguido com o Prémio Nobel da Paz em pleno clima de repressão contra os opositores políticos, os ‘media’ independentes e as organizações não governamentais que criticam o Kremlin.

“Não sei como (este prémio) influenciará a censura que foi posta em prática”, disse Muratov, acrescentando que doará parte da soma do prémio para apoiar “os ‘media’ independentes e autónomos” da Rússia.

Hoje mesmo, as autoridades russas classificaram nove pessoas, incluindo jornalistas, como “agentes estrangeiros”, o que os sujeita a tediosos procedimentos administrativos e controlos de suas despesas, sob pena de prisão.

Várias organizações também foram incluídas na lista, incluindo o portal eletrónico de investigação Bellingcat, que revelou os nomes de vários agentes russos envolvidos em tentativas de assassínio, incluindo o envenenamento de Alexei Navalny no ano passado.

O Prémio Nobel da Paz foi hoje atribuído aos jornalistas Maria Ressa, das Filipinas, e Dmitry Muratov, da Rússia, pela defesa da liberdade de imprensa e de expressão, anunciou o Comité Nobel Norueguês.

Os dois jornalistas foram distinguidos “pela sua corajosa luta pela liberdade de expressão nas Filipinas e na Rússia. Ao mesmo tempo, são representantes de todos os jornalistas que defendem este ideal num mundo em que a democracia e a liberdade de imprensa enfrentam condições cada vez mais adversas”, justificou a presidente Comité Nobel Norueguês, Berit Reiss-Andersen.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights