08/10/2021 | Em destaque, Mundo, Notícias, SIDA

VIH: Crianças estão a ser deixadas para trás

.

As novas infeções por VIH entre as crianças diminuíram para menos de metade (54%) entre 2010 e 2020, principalmente devido ao aumento da disponibilização de terapia antirretroviral a mulheres grávidas e a amamentar que vivem com VIH. No entanto, este esforço abrandou consideravelmente,  deixando grandes lacunas na África Ocidental e Central, a região que abriga mais de metade das mulheres grávidas que vivem com o VIH e que não estão a receber tratamento.

Estas lacunas na despistagem de bebés e crianças expostas ao VIH deixaram mais de dois quintos das crianças que vivem com o VIH por diagnosticar. O número de crianças em tratamento a nível mundial tem vindo a diminuir constantemente desde 2019, com quase 800 000 crianças (com idades compreendidas entre os 0-14 anos) a viver com o VIH sem receber qualquer tratamento antirretroviral em 2020. 

Apenas 40% das crianças que vivem com o VIH conseguiram a supressão viral, em comparação com 67% dos adultos. Quase dois terços das crianças que não recebem tratamento têm entre 5 e 14 anos de idade. Estas crianças não foram testadas para o VIH no acompanhamento pós-natal e são, portanto, indetetáveis. 

Uma das prioridades da ONUSIDA para os próximos cinco anos é ampliar o número de crianças diagnosticadas e em tratamento, os testes familiares e domésticos, otimizar o tratamento pediátrico,  vincular as crianças a esse tratamento e assegurar a sua adesão durante toda a vida.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Share This