Autoridades pedem AMA operacional para aumentar produção de vacinas em África

6 de Dezembro 2021

Líderes e responsáveis africanos apelaram esta segunda-feira à rápida operacionalização da Agência Africana do Medicamento (AMA, na sigla em inglês) para cumprir o objetivo de, até 2040, o continente produzir 60% das vacinas de que precisa.

“Por causa desta pandemia terrível, criou-se uma oportunidade para mudar fundamentalmente o panorama da produção farmacêutica no nosso continente. Agora é a hora de agir decididamente e rapidamente em conjunto”, disse o Presidente do Ruanda, Paul Kagame, na abertura de uma reunião em Kigali para avaliar o progresso feito desde a criação, em abril, da Parceria para a Produção Africana de Vacinas (PAVM, na sigla em inglês).

“Um dos mais importantes desenvolvimentos” desde então, disse Kagame, foi a criação da AMA, uma agência especializada da União Africana (UA).

O acordo de criação da AMA entrou em vigor em 05 de novembro e já foi ratificado por 17 dos 26 Estados-membros que o assinaram.

“É essencial manter o ímpeto e estabelecer completamente esta agência, sem a qual África não pode autorizar independentemente e regular as vacinas e medicamentos”, disse o chefe de Estado ruandês.

A entrada em vigor da AMA, disse por seu lado o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, abre caminho “ao aumento da qualidade, segurança, eficácia, disponibilidade e acessibilidade de medicamentos e vacinas no continente”.

O responsável destacou outros desenvolvimentos dos últimos meses, como o facto de o Egito, Marrocos, Ruanda e Senegal terem assinado acordos ou memorandos de entendimento para produzir vacinas contra a Covid-19 nos seus países, e de a Argélia ter começado a produzir, ou o estabelecimento, pela OMS e parceiros, de um centro de tecnologia na África do Sul para promover a produção de vacinas no continente.

Segundo Monique Nsanzabaganwa, vice-presidente da Comissão da União Africana, a PAVM foi criada “com objetivos ousados”: aumentar a capacidade de produção e distribuição de vacinas dos atuais 1% para 60% da procura total do continente até 2040.

Em 2025 essa capacidade deverá subir para 10% e em 2030 para 30%.

O enviado especial da UA para a AMA, Michel Sidibé, considerou por isso urgente acelerar o passo e tornar a agência do medicamento uma realidade, lembrando que, ainda hoje, mais de mil milhões de pessoas em África aguardam por uma dose da vacina contra a Covid-19.

Mas o problema não é só a pandemia, apontou: “Este continente representa quase 18% da população mundial, mas acumula quase 25% do peso das doenças no mundo”.

Segundo Sidibé, o continente produz menos de 3% dos medicamentos que consome.

“Precisamos de quebrar esta dependência”, afirmou, sublinhando a necessidade de “africanizar a investigação e o desenvolvimento”.

John Nkengasong, diretor dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), insistiu também na necessidade de reforçar a capacidade de diagnóstico, lembrando que 40 anos após o aparecimento do VIH, o continente, que tem 1,2 mil milhões de habitantes e faz 100 a 150 mil testes de VIH por ano, não tem uma única empresa que produza testes simples para detetar o vírus.

“Servimos de mercado para outros. Penso que isso tem de mudar”, alertou.

O encontro de hoje ocorre numa altura em que a taxa de vacinação contra a Covid-19 em África é de 7%, quando nos países desenvolvidos é de cerca de 60%.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada

Os trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada (PPP), garante Camilo Ferreira, coordenador da Comissão de Trabalhadores, que recordou, em conversa com o HealthNews, a exaustão dos profissionais naquele modelo de gestão e, como Entidade Pública Empresarial (EPE), a melhoria das condições de trabalho e do desempenho.

Menopausa: Uma doença ou um processo natural de envelhecimento?

A menopausa foi o “elefante na sala” que a Médis trouxe hoje ao Tejo Edifício Ageas Tejo. O tema foi abordado numa conversa informal que juntou diversos especialistas. No debate, os participantes frisaram que a menopausa não é uma doença, mas sim um “ciclo de vida”. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights