OMS desaconselha tratamento com plasma de recuperados

7 de Dezembro 2021

A Organização Mundial da Saúde (OMS) manifestou-se contra o tratamento com plasma de doentes recuperados para tratar casos de Covid-19, alegando que as investigações mostram que não aumenta a probabilidade de sobreviver ou reduzir a necessidade de ventilação.

O plasma convalescente é um tratamento experimental que envolve a transfusão de plasma sanguíneo de uma pessoa que recuperou da Covid-19 para pacientes que lutam contra a doença.

A recomendação foi formulada por um grupo internacional de especialistas da OMS encarregados de emitir diretrizes para os sistemas de saúde dos países e as conclusões apareceram no jornal BMJ sobre saúde global, que publica estudos revistos por pares e é de acesso livre.

O grupo avaliou as evidências científicas resultantes de 16 estudos nos quais participaram 16.236 pacientes com Covid-19, apresentando sintomas leves, graves e críticos.

A conclusão foi que o plasma convalescente não só não aumenta a probabilidade de recuperação como não evita a necessidade de ventilação mecânica, sendo um tratamento muito caro e difícil de administrar.

Apontou vários problemas práticos, como a necessidade de identificar e testar doadores, bem como as dificuldades de colheita, armazenamento e uso do plasma, que representam limitações adicionais para que seja um tratamento viável.

O único caso em que a OMS deixa em aberto a possibilidade do seu uso é em ensaios clínicos aleatórios.

Estas orientações se da OMS somam-se às anteriores, como o uso combinado dos fármacos com anticorpos monoclonais casirivimabe e imdevimabe e de corticosteroides para pacientes com Covid-19 em estado grave.

Por outro lado, o uso de ivermectina e hidroxicloroquina foi rejeitado, independentemente da gravidade do caso.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada

Os trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada (PPP), garante Camilo Ferreira, coordenador da Comissão de Trabalhadores, que recordou, em conversa com o HealthNews, a exaustão dos profissionais naquele modelo de gestão e, como Entidade Pública Empresarial (EPE), a melhoria das condições de trabalho e do desempenho.

Menopausa: Uma doença ou um processo natural de envelhecimento?

A menopausa foi o “elefante na sala” que a Médis trouxe hoje ao Tejo Edifício Ageas Tejo. O tema foi abordado numa conversa informal que juntou diversos especialistas. No debate, os participantes frisaram que a menopausa não é uma doença, mas sim um “ciclo de vida”. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights