Nova Caledónia diz não à independência da França em terceiro referendo

12 de Dezembro 2021

A população da Nova Caledónia rejeitou este domingo a independência do território pertencente à França, segundo os resultados definitivos do terceiro referendo, marcado pelo apelo ao boicote dos independentistas e por uma forte abstenção nas urnas.

De acordo com os resultados oficiais, 96,49% dos eleitores manifestaram-se contra a independência do arquipélago situado no Pacífico Sul, contra 3,51% defensores do ‘sim’.

O terceiro referendo ficou marcado por uma menor adesão às urnas do que nos dois anteriores referendos, com uma participação de 43,90%.

Os separatistas anunciaram que não iriam às urnas, alegando a impossibilidade de organizar “uma campanha justa” devido aos efeitos da pandemia de Covid-19 no território, e apelaram para que o resultado da consulta não seja reconhecido.

O Governo francês, que só controla a segurança e a justiça no território, já fez saber que a queda da participação neste terceiro referendo não põe em causa o resultado, embora tenha apelado para ter em conta as três consultas e constatar que a população está fortemente dividida.

Fontes do Ministério do Ultramar indicaram que o terceiro referendo, que põe fim aos acordos assinados em 1998, não significa o fim do processo político no arquipélago e anunciaram a abertura de negociações entre todas as partes.

Em junho, em Paris, os caledonianos decidiram com o Estado que, a partir do dia 12 de dezembro, se abriria “um período de estabilidade e convergência” para preparar o processo de independência até junho de 2023, se ganhasse o “sim”.

O diálogo não será tão fácil, já que o partido da independência FLNKS e os nacionalistas já avisaram que rejeitam qualquer reunião com o ministro do Ultramar, Sébastien Lecornu, antes das eleições presidenciais francesas em abril de 2022.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

ULS de Braga celebra protocolo com Fundação Infantil Ronald McDonald

A ULS de Braga e a Fundação Infantil Ronald McDonald assinaram ontem um protocolo de colaboração com o objetivo dar início à oferta de Kits de Acolhimento Hospitalar da Fundação Infantil Ronald McDonald aos pais e acompanhantes de crianças internadas nos serviços do Hospital de Braga.

DE-SNS mantém silêncio perante ultimato da ministra

Após o Jornal Expresso ter noticiado que Ana Paula Martins deu 60 dias à Direção Executiva do SNS (DE-SNS) para entregar um relatório sobre as mudanças em curso, o HealthNews esclareceu junto do Ministério da Saúde algumas dúvidas sobre o despacho emitido esta semana. A Direção Executiva, para já, não faz comentários.

FNAM lança aviso a tutela: “Não queremos jogos de bastidores nem negociatas obscuras”

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) disse esta sexta-feira esperar que, na próxima reunião com o Ministério da Saúde, “haja abertura para celebrar um protocolo negocial”. Em declarações ao HealthNews, Joana Bordalo e Sá deixou um alerta à ministra: ” Não queremos jogos de bastidores na mesa negocial. Não queremos negociatas obscuras.”

SNE saúda pedido de relatório sobre mudanças implementadas na Saúde

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) afirmou, esta sexta-feira, que vê com “bons olhos” o despacho, emitido pela ministra da Saúde, que solicita à Direção-Executiva do Serviço Nacional de Saúde (DE-SNS) um relatório do estado atual das mudanças implementadas desde o início de atividade da entidade.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights