11/01/2022 | Nacional, Notícias

Regiões de Leiria e Coimbra estão contra o centralismo e reclamam “atenção redobrada”

As comunidades intermunicipais das regiões de Leiria (CIMRL) e Coimbra (CIM RC), que se reuniram esta terça-feira em cimeira em Ansião, reclamaram “atenção redobrada” e pediram que não se continue a apostar no centralismo de Lisboa e das duas áreas metropolitanas.

“[É] um território que reclama e exige uma atenção redobrada naquilo que é o ciclo de recuperação económica que iremos viver nos próximos anos”, afirmou o presidente da CIMRL, Gonçalo Lopes, na conferência de imprensa que sucedeu ao encontro que teve como temas Desenvolvimento e Coesão.

Gonçalo Lopes salientou que as duas comunidades têm um terço da população (740 mil habitantes) da Região Centro, além de que representam 35% do seu Produto Interno Bruto, e têm “as duas principais cidades desta mesma região”: Leiria e Coimbra.

Destacando que é “fundamental uma estratégia de recuperação económica e social do país”, na sequência da pandemia de Covid-19, o socialista Gonçalo Lopes realçou que esta região reivindica que “não se continue a apostar” no centralismo de Lisboa e das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, mas antes que se olhe para o país como uma “oportunidade de coesão e desenvolvimento harmonioso”.

“Aliás, é essa a experiência que as duas comunidades mantêm dentro do seu próprio território, desenvolvendo concelho a concelho, freguesia a freguesia, de uma maneira coesa e de uma maneira partilhada”, declarou.

Elencando alguns dos 50 pontos de comum acordo distribuídos por oito áreas que constam num documento final distribuído à comunicação social, o autarca destacou a saúde, considerando esta “fundamental nos próximos anos”, para conseguir tornar o país “capaz de reagir a futuras crises”, como a da pandemia.

“E por isso, [é necessário] não só o reforço do investimento dos hospitais em Coimbra, mas também em Leiria, mas em especial na rede dos centros de saúde que os nossos territórios têm”, frisou, para reiterar que na reunião de hoje esta foi apontada “como uma área muito importante a apostar nos próximos anos”.

Ao nível dos transportes e da mobilidade, o presidente da CIMRL avisou que “uma região que necessita de promover a coesão” tem de continuar a investir na rodovia e na ferrovia.

“Estes são investimentos que consideramos decisivos acompanhar nos próximos anos, naquilo que é a intervenção em termos de investimento público no nosso território, em especial no reforço da Linha do Oeste, mas também dos itinerários complementares”, referiu, acrescentando ainda a área do conhecimento, formação e educação.

Neste âmbito, defendeu o reforço nas instituições de ensino superior, decisivas para tornar o tecido económico mais resiliente e mais preparado.

“Estas são algumas das áreas de atuação que estabelecemos, que irão ser reforçadas com uma intervenção política no decorrer das próximas semanas, com contactos com elementos do Governo, mas também, sobretudo, com os candidatos das diversas forças partidárias às próximas eleições legislativas”, adiantou.

Integram a CIM RC os municípios de Arganil, Cantanhede, Coimbra, Condeixa-a-Nova, Figueira da Foz, Góis, Lousã, Mealhada, Mira, Miranda do Corvo, Montemor-o-Velho, Mortágua, Oliveira do Hospital, Pampilhosa da Serra, Penacova, Penela, Soure, Tábua e Vila Nova de Poiares.

Fazem parte da CIMRL Alvaiázere, Ansião, Batalha, Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos, Leiria, Marinha Grande, Pedrógão Grande, Pombal e Porto de Mós.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Share This