Comissária europeia da Saúde saúda progressos na “segunda linha de defesa”

27 de Janeiro 2022

A aprovação, hoje, do primeiro antivírico de toma oral contra a Covid-19 pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA) é um bom progresso na “segunda linha de defesa” contra a pandemia, comentou a comissária europeia da Saúde.

“Estamos a fazer bons progressos na nossa segunda linha de defesa: Terapias promissoras que podem dar um contributo real para mitigar o impacto da covid-19”, declarou a comissária Stella Kyriakides, após a EMA ter recomendado a comercialização do fármaco Paxlovid.

Apontando que se trata do sexto medicamento autorizado para o tratamento da Covid-19 ao abrigo da estratégia terapêutica da UE que cobre várias fases da doença, e antecipando que “mais virão nas próximas semanas”, a comissária sublinhou que o Paxlovid “é o primeiro antiviral oral para uso doméstico” do portfólio europeu, “e tem o potencial de fazer uma verdadeira diferença para pessoas com elevado risco de covid-19 grave”.

A EMA recomendou hoje a comercialização do Paxlovid, apontando que este medicamento da farmacêutica Pfizer está recomendado, nesta fase, para adultos que não precisam de oxigénio suplementar e que correm maior risco de desenvolver uma forma grave de Covid-19.

De acordo com a EMA, o Paxlovid é o primeiro medicamento antiviral administrado por via oral recomendado na União Europeia para o tratamento da Covid-19, contendo duas substâncias ativas em dois comprimidos diferentes, que reduzem a capacidade do coronavírus SARS-CoV-2 se multiplicar no organismo.

Para chegar à conclusão hoje anunciada, o Comité de Medicamentos Humanos da EMA (CHMP) avaliou os dados de um estudo com doentes infetados, que demonstrou que o Paxlovid “reduziu significativamente as hospitalizações ou mortes em pacientes que têm pelo menos uma condição subjacente que os coloca em risco de covid-19 grave”.

A maioria dos doentes participantes no estudo estava infetada com a variante Delta, mas a EMA espera, com base em investigação de laboratório, que o Paxlovid também seja ativo contra a Ómicron e outras variantes do SARS-CoV-2.

Esta autorização condicional de comercialização é um procedimento utilizado pela EMA para acelerar a aprovação de medicamentos durante emergências de saúde pública na UE, como é o caso da atual pandemia.

O regulador europeu é responsável pela avaliação científica, supervisão e monitorização da segurança de medicamentos na UE, trabalhando em rede com milhares de especialistas de toda a Europa, distribuídos pelos vários comités científicos.

A Covid-19 provocou 5.625.889 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Ministério avalia propostas das ordens nos próximos dois meses

O Governo vai avaliar nos próximos dois meses as propostas apresentadas hoje à ministra da Saúde pelas ordens profissionais, que demonstraram preocupação com a resposta assistencial do Serviço Nacional de Saúde (SNS), anunciou hoje a ministra.

Doenças evitáveis por vacinação estão a aumentar na Europa

As doenças evitáveis por vacinação estão a aumentar nos países da União Europeia (UE) e do Espaço Económico Europeu (EEE), alertou esta segunda-feira o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) no âmbito da Semana Europeia da Vacinação.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights