Leiria Cidade Europeia do Desporto quer mostrar que “desporto é fundamental na sociedade”

3 de Fevereiro 2022

Cerca de 800 atletas de 45 modalidades participam no desfile que marca no sábado o início oficial de Leiria Cidade Europeia do Desporto, iniciativa que servirá para mostrar que “o desporto é fundamental na sociedade”, sublinha a organização.

Ao longo do ano, o município de Leiria prevê realizar “entre 600 a 700 eventos desportivos”, avançou à agência Lusa o vereador do Desporto, Carlos Palheira.

“Vamos ter eventos de várias categorias, do desporto inclusivo à alta competição, de modalidades mais conhecidas a menos conhecidas, de âmbito internacional, nacional, distrital ou regional, que podem envolver desde 200 praticantes a 10 ou 20 mil pessoas, como aconteceu agora na Taça da Liga”, acrescentou.

Nos meses mais próximos, Leiria receberá, por exemplo, a Taça da Europa de Lançamentos, um ‘meeting’ internacional de natação, o Rali Verde Pino, o Fórum Nacional de Treinadores de Futebol, mas Carlos Palheira reserva para mais tarde o anúncio de outros destaques da programação.

“Acima de tudo queremos elevar o valor social do desporto. Temos de assumir, de uma vez por todas, que o desporto é fundamental na sociedade e tem de ser aceite por toda a comunidade dessa maneira”, afirma.

Leiria pretende aproveitar o título Cidade Europeia do Desporto para “através dos valores do desporto contribuir para uma sociedade melhor”, diz o vereador.

“Para lá da coesão do território, é muito importante a solidariedade, cooperação, amizade, respeito, tudo valores positivos que o desporto transmite”, frisa.

A pandemia dificulta, contudo, não só a organização, mas também a previsão do envolvimento que acontecerá em 2022 na Leiria Cidade Europeia do Desporto.

“Não sabemos como vai evoluir. Na incerteza, as pessoas têm sempre algum grau de precaução na adesão às atividades. Temos de respeitar as regras emanadas pela Direção-Geral da Saúde e temos de ir ajustando as atividades em função do que for permitido”, explica o vereador do Desporto.

Em todo o caso, “as expectativas são as melhores”, porque em Leiria “a adesão à prática desportiva está muito igual, ou até ligeiramente acima, à que se verificava em 2019”:

“Tivemos apenas um pequeno clube que fechou portas, mas abriram cinco. Por aí já vemos a expressão do desporto no concelho”.

Antes da pandemia, em números medidos – “e não estimados”, frisa Carlos Palheira -, um estudo indicava que 57% da população de Leiria (atualmente 128 mil pessoas) praticava “alguma forma de atividade física, formal ou informalmente”.

“É um valor estratosférico, que nos deixa muito contentes. É o dobro da média nacional”, nota o vereador, lembrando que, no município, “há cerca de 1.500 pessoas em escolas de dança, mais de 2.000 inscritos no ‘Viver Activo’ [programa municipal de atividade física para maiores de 55 anos], 10.000 pessoas inscritas nas piscinas, 6.000 federados com menos de 10 anos e 7.000 com mais de 10 anos, e cerca de 20 mil pessoas inscritas, com quotas em dia, em ginásios”. O concelho tem ainda 154 clubes, 80 dos quais com desporto federado.

A gala de arranque da Cidade Europeia do Desporto realiza-se no centro de Leiria, a partir das 21:30 de sábado, e além do desfile das cerca de oito centenas de atletas de todas as modalidades praticadas no concelho, há várias exibições previstas, que vão da ginástica à equitação.

Em paralelo, será feita uma ligação entre o desporto e a música – Leiria é também Cidade Criativa UNESCO para a música -, com participação da Orquestra Jazz de Leiria, Coro Ninfas do Lis e outros convidados.

“Queremos mostrar o que se faz por cá e surpreender o público. As estrelas vão ser as pessoas de Leiria”, sublinha o vereador.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada

Os trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada (PPP), garante Camilo Ferreira, coordenador da Comissão de Trabalhadores, que recordou, em conversa com o HealthNews, a exaustão dos profissionais naquele modelo de gestão e, como Entidade Pública Empresarial (EPE), a melhoria das condições de trabalho e do desempenho.

Governo quer “articulação virtuosa” entre entidades de saúde

O Governo está a avaliar as atribuições de entidades como a Direção-Executiva do SNS, a DGS e o Infarmed para garantir “uma articulação virtuosa” que consiga diminuir a burocracia e concretizar as políticas de saúde, anunciou hoje a ministra.

Menopausa: Uma doença ou um processo natural de envelhecimento?

A menopausa foi o “elefante na sala” que a Médis trouxe hoje ao Tejo Edifício Ageas Tejo. O tema foi abordado numa conversa informal que juntou diversos especialistas. No debate, os participantes frisaram que a menopausa não é uma doença, mas sim um “ciclo de vida”. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights