Comissão Europeia espera que UE já tenha passado o pior, mas pede cautela

10 de Fevereiro 2022

A comissária europeia da Saúde disse na quarta-feira esperar que a União Europeia (UE) já esteja a recuperar da pandemia, mas pediu cautela devido à imprevisibilidade do vírus, embora os Estados-membros estejam preparados “para o que está por vir”.

“Após o início desta pandemia, nos últimos dois anos, todos nós vimos o impacto que a covid-19 teve na vida dos cidadãos. Creio que dizer que virámos a esquina, com as muitas voltas e reviravoltas desta pandemia, não é uma expressão que eu pelo menos usaria, mas estamos sim a […] assistir, nas últimas sete a oito semanas, à estabilização do número de casos, de hospitalizações e de mortalidade”, afirmou Stella Kyriakides.

Falando em conferência de imprensa após uma reunião conjunta de ministros dos Negócios Estrangeiros e da Saúde da UE em Lyon, França, a comissária europeia da tutela sanitária vincou que “há provas claras de que as vacinas funcionam e é por isso que existem menos hospitalizações e menos mortalidade, quando se verifica que alguns Estados-membros já atingiram o pico com a [variante] Ómicron”.

“No entanto, nunca direi nunca com esta pandemia, pelo que temos de continuar a ser cautelosos, temos de continuar a olhar para a situação epidemiológica de cada Estado-membro e temos de continuar a encorajar os cidadãos a serem vacinados, porque sabemos que as vacinas aprovadas são seguras e eficazes”, vincou.

“Para o que está por vir, estaremos preparados”, adiantou Stella Kyriakides.

A posição surge numa altura de elevado ressurgimento de casos de infeção com o coronavírus SARS-CoV-2, principalmente devido à elevada transmissibilidade da variante Ómicron, mas também de elevada cobertura vacinal.

Dados divulgados no ‘site’ do Centro Europeu para Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) sobre vacinação revelam que, na União Europeia, 70,7% da população total terminou o curso primário de vacinação (com duas doses ou dose única), o equivalente a 316 milhões de pessoas.

Ainda segundo os dados do centro europeu, que têm por base as notificações dos Estados-membros, cerca de 210 milhões de doses de reforço foram já administradas no espaço comunitário, abrangendo 46,9% da população total da UE.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Projeto liderado pela ESEnfC vence Prémio Erasmus+

O projeto europeu de capacitação para a prática de cuidados de enfermagem multiculturais, “MulticulturalCare”, liderado pela Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC) e com coordenação da professora Ana Paula Monteiro, foi vencedor do Prémio Erasmus+ na categoria de Parcerias de Cooperação no Ensino Superior do ano 2023, foi anunciado na última terça-feira.

Sindepor vai impugnar concurso da ARS Norte

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros (Sindepor) vai “contestar juridicamente a alteração súbita das regras de um concurso destinado à contratação de 61 enfermeiros para a Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte”, divulgou hoje o Sindepor.

Número de mortos em esfaqueamento na Austrália sobe para seis

O número de vítimas mortais do esfaqueamento que ocorreu hoje num movimentado centro comercial em Sidney, na Austrália, subiu de cinco para seis, depois de um dos feridos hospitalizados ter sucumbido aos ferimentos, confirmou a polícia australiana.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights