Portugueses mais felizes e satisfeitos com a vida do que antes da pandemia

10 de Fevereiro 2022

Os portugueses parecem estar mais felizes e satisfeitos com a vida quase dois anos depois do início da pandemia de Covid-19, sugere um estudo divulgado esta quinta-feira que aponta níveis de felicidade melhores até do que em 2019.

Esta é uma das conclusões do mais recente estudo do Observatório da Sociedade Portuguesa, da Universidade Católica em Lisboa, que se debruçou, entre outros temas, sobre os níveis de felicidade e satisfação dos portugueses.

Quase dois anos a viver em plena pandemia, dos mil inquiridos entre 29 de novembro e 09 de dezembro, a grande maioria dizia sentir-se feliz ou muito feliz (80%) e também satisfeito ou muito satisfeito (79,1%) com a sua vida.

Comparativamente ao início da pandemia, em março de 2020, a percentagem de pessoas felizes aumentou nove pontos percentuais, o mesmo número em que diminuíram aquelas que se diziam sentir infelizes.

Quanto à satisfação com a sua vida, a diferença é igualmente significativa, com a taxa de inquiridos insatisfeitos a passar de 15,9% para 8,1%.

“Há uma clara recuperação, face ao primeiro impacto da pandemia, havendo até uma superação face aos valores pré-pandemia”, sublinha o relatório.

Em novembro de 2019 havia ligeiramente menos pessoas a relatarem sentir-se felizes (uma diferença de 0,3 pontos percentuais) e a percentagem de pessoas que se mostram muito felizes aumentou quase três pontos percentuais, de 9,2% para 12,1%.

O mesmo observa-se em relação à satisfação, com um ligeiro aumento do número de pessoas satisfeitas e muito satisfeitas, enquanto o número insatisfeitos ou muito insatisfeitos diminuiu.

Além dos níveis de felicidade e satisfação, o estudo avaliou também a perceção de saúde dos portugueses e a maioria considera que a sua saúde está boa (37,9%), muito boa (32,3%) ou até ótima (10,2%). Pelo contrário, 19,7% avaliam apenas como razoável e 2,7% dizem que é fraca.

Olhando para o período anterior à pandemia, os portugueses parecem estar mais otimistas quanto à sua saúde atual, mas menos quanto à saúde no futuro, registando-se uma diminuição das pessoas que sentem que adoecem mais facilmente do que as outras (menos 3,8%) e daquelas que acreditam que a sua saúde será melhor no futuro do que era naquela altura (menos 2,9%).

Isto reflete-se na perceção quanto à qualidade de vida, que cerca de 60% dos inquiridos classificam como boa ou muito boa, enquanto 5,8% a avaliaram negativamente, como fraca ou muito fraca, sendo que também aqui os resultados mais recentes apontam uma melhoria em relação a novembro de 2019.

Desde o início da pandemia que o Observatório avalia também os seus efeitos e o relatório divulgado hoje indica que quase metade dos inquiridos ainda ficam desconfortáveis em pensar sobre a Covid-19, apesar de 54,3% não ficar nervoso ao ver notícias sobre a pandemia e 62% dizer que não tem medo da doença.

Por outro lado, 72,4% dos participantes revelaram que “nunca ou quase nunca” sentem que não têm ninguém a quem possa recorrer e, em relação a novembro de 2016, há até menos pessoas que dizem sentir-se sozinhas.

“De forma interessante, e apesar de nos encontrarmos ainda em período de pandemia, ainda com algumas restrições à interação e convívio social, parece que a relativa liberdade sentida face a períodos anteriores da pandemia é valorizada pelos participantes neste estudo”, lê-se no documento.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Projeto liderado pela ESEnfC vence Prémio Erasmus+

O projeto europeu de capacitação para a prática de cuidados de enfermagem multiculturais, “MulticulturalCare”, liderado pela Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC) e com coordenação da professora Ana Paula Monteiro, foi vencedor do Prémio Erasmus+ na categoria de Parcerias de Cooperação no Ensino Superior do ano 2023, foi anunciado na última terça-feira.

Sindepor vai impugnar concurso da ARS Norte

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros (Sindepor) vai “contestar juridicamente a alteração súbita das regras de um concurso destinado à contratação de 61 enfermeiros para a Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte”, divulgou hoje o Sindepor.

Número de mortos em esfaqueamento na Austrália sobe para seis

O número de vítimas mortais do esfaqueamento que ocorreu hoje num movimentado centro comercial em Sidney, na Austrália, subiu de cinco para seis, depois de um dos feridos hospitalizados ter sucumbido aos ferimentos, confirmou a polícia australiana.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights