APDP oferece ajuda a refugiados ucranianos com diabetes

6 de Março 2022

 A Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP) quer apoiar refugiados ucranianos com diabetes que venham para Portugal através de consultas e tratamentos. De acordo com a Federação Internacional de Diabetes (IDF), mais de 2,3 milhões de adultos vivem com diabetes na Ucrânia e quinze mil crianças e adolescentes são afetados pela diabetes tipo 1.

Para o presidente da APDP, José Manuel Boavida é preciso garantir uma resposta coordenada de apoio aos refugiados ucranianos, vítimas da invasão russa.

O responsável considera que “em Portugal, “além da pressão política e económica, temos de ter a capacidade para apoiar os refugiados que vão chegando a Portugal. Para que as iniciativas de solidariedade sejam eficazes têm de ser coordenadas e a APDP já confirmou a sua disponibilidade para a receção, orientação e acompanhamento dos refugiados com diabetes.”

Deste modo, os cidadãos refugiados que estejam em Portugal poderão, através dos serviços da APDP, receber consultas médicas e todos os tratamentos necessários para a compensação da diabetes.

“Aumentar a acessibilidade aos cuidados de saúde da população refugiada é um ato de cidadania, principalmente numa altura em que são tão necessários. Para acederem aos nossos serviços, basta entrarem em contacto connosco pelo email diabetes@apdp.pt”, garante João Filipe Raposo, Diretor Clínico da APDP.

Estima-se que mais de 2,3 milhões de adultos vivem com diabetes na Ucrânia e cerca de quinze mil crianças e adolescentes são afetados pela diabetes tipo 1.

PR/HN/Vaishaly Camões

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada

Os trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada (PPP), garante Camilo Ferreira, coordenador da Comissão de Trabalhadores, que recordou, em conversa com o HealthNews, a exaustão dos profissionais naquele modelo de gestão e, como Entidade Pública Empresarial (EPE), a melhoria das condições de trabalho e do desempenho.

Governo quer “articulação virtuosa” entre entidades de saúde

O Governo está a avaliar as atribuições de entidades como a Direção-Executiva do SNS, a DGS e o Infarmed para garantir “uma articulação virtuosa” que consiga diminuir a burocracia e concretizar as políticas de saúde, anunciou hoje a ministra.

Menopausa: Uma doença ou um processo natural de envelhecimento?

A menopausa foi o “elefante na sala” que a Médis trouxe hoje ao Tejo Edifício Ageas Tejo. O tema foi abordado numa conversa informal que juntou diversos especialistas. No debate, os participantes frisaram que a menopausa não é uma doença, mas sim um “ciclo de vida”. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights