Província do centro de Moçambique com cumulativo de 139 casos de cólera desde declaração de surto

14 de Junho 2022

As autoridades de Saúde da província da Zambézia, no centro de Moçambique, registaram 139 casos de cólera desde o anúncio, em maio, do surto da doença na cidade de Quelimane, sem nenhum óbito, anunciou fonte oficial.

“Até sexta-feira tínhamos em Quelimane um cumulativo de 139 casos”, disse Isaías Marcos, chefe dos serviços de saúde na Zambézia, citado pela Agência de Informação de Moçambique (AIM).

Segundo o responsável, 134 pacientes tiveram alta hospitalar e cinco ainda estão internados, devendo também receber alta.

Isaías Marcos alertou também para a ocorrência de outras doenças diarreicas, apelando para a tomada de medidas de prevenção entre as quais a “lavagem correta das mãos, promoção de jornadas comunitárias de limpeza e combate à defecação a céu aberto”.

“É preciso um esforço redobrado para conter a propagação de doenças de origem hídricas”, frisou.

As autoridades de Saúde da Zambézia declararam em maio um surto de cólera em Quelimane, capital provincial, após três anos sem a doença.

A cólera é uma doença que provoca fortes diarreias, que é tratável, mas que pode provocar a morte por desidratação se não for prontamente combatida – sendo causada, em grande parte, pela ingestão de alimentos e água contaminados por falta de redes de saneamento.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights