Federação Europeia de Medicina quer médicos envolvidos no combate às alterações climáticas

A Federação Europeia de Medicina (EFIM) Interna defende, num documento publicado esta semana no European Journal of Internal Medicine, que é obrigação ética dos médicos desenvolver esforços para travar as alterações climáticas.

Os autores advertem que os dados atuais sobre as alterações climáticas e a degradação ambiental são dramáticos. “As consequências destas alterações já estão a ter um impacto significativo na saúde das pessoas. Os médicos – como defensores dos doentes, mas também como cidadãos – têm a obrigação ética de se envolverem nos esforços para travar estas mudanças”, afirma Luís Campos, ex-presidente da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna, presidente da Comissão de Qualidade dos Cuidados e Assuntos Profissionais da EFIM e primeiro subscritor do documento.

A Federação Europeia de Medicina Interna (EFIM) encoraja fortemente as sociedades de Medicina Interna e os internistas de toda a Europa a desempenharem um papel ativo em assuntos relacionados com as alterações climáticas e a degradação ambiental.

A nível nacional, isto inclui a defesa da adoção de medidas que reduzam as emissões de gases com efeito de estufa (GEE) e a degradação ambiental e contribuam para as decisões políticas relacionadas com estas questões. A nível hospitalar e na prática clínica, passa por apoiar ações do setor da saúde que permitam reduzir a sua pegada ecológica.

A EFIM e as sociedades internas associadas defendem a promoção de atividades educativas e o desenvolvimento de um conjunto de ferramentas para preparar os internistas para melhor cuidarem dos cidadãos que sofrem as consequências das alterações climáticas.

Para além de defender e implementar ações eficazes para reduzir a pegada ecológica da indústria da saúde, recomenda-se ainda a introdução destes temas em programas científicos de reuniões e congressos de Medicina Interna e na formação médica de pré e pós-graduação.

A nível pessoal, os internistas devem ser agentes ativos na defesa de práticas sustentáveis para o ambiente, aumentando a consciência da comunidade sobre os riscos para a saúde das alterações climáticas e da degradação ambiental, devendo ser modelos na adoção de comportamentos amigos do ambiente, alerta a EFIM.

A Federação Europeia de Medicina Interna compreende 36 sociedades nacionais de 34 países membros e representa mais de 50.000 internistas na Europa e no Médio Oriente.

Pode consultar o artigo aqui.

PR/HN/RA

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Share This