Desenvolvidos biossensores que detetam substâncias alérgicas em alimentos

17 de Outubro 2022

Investigadores do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) desenvolveram biossensores que permitem detetar "com rigor e rapidez" a presença de substâncias alérgicas em alimentos, como amendoim, camarão, peixe, ovo e aipo, foi esta segunda-feira anunciado. 

Em comunicado, o instituto do Porto revela que a metodologia “inovadora”, desenvolvida no âmbito do projeto TracAllerSens, vai permitir detetar e quantificar as substâncias alergénicas em produtos alimentares.

“A ausência de métodos expeditos capazes de detetar com grande fiabilidade a presença de algumas substâncias alergénicas em determinados alimentos afeta, e muitas vezes compromete, a dieta alimentar dos doentes alérgicos, que se vêm impossibilitados de consumir determinados alimentos por receio de poderem conter algumas destas substâncias”, salienta o ISEP, lembrando que a União Europeia estabeleceu uma lista prioritária de ingredientes que podem provocar alergias e que podem estar presentes em “alimentos pré-embalados, a granel e prontos a ser servidos”.

“A alergia alimentar tem tido uma incidência crescente nos últimos anos, representando um problema de saúde pública”, destaca o instituto, acrescentando que na Europa se estima que a alergia alimentar afete mais de 17 milhões de pessoas.

A par da “falta de soluções”, a indústria alimentar confronta-se com “dificuldades, por necessitar de métodos de análise sensíveis e seletivos no controlo aos alergénicos”, salienta o ISEP.

“Os métodos tradicionais para este fim são muitas vezes morosos, dispendiosos e requerem equipamentos sofisticados, o que impede uma despistagem efetiva podendo comprometer a sua aceitação em laboratórios com recursos limitados”, acrescenta.

Nesse sentido, os investigadores do REQUIMTE do ISEP desenvolveram biossensores que podem ser produzidos a “um custo muito controlado” se aplicados à indústria alimentar.

Citado no comunicado, o investigador responsável pelo plano de trabalhos do projeto, Hendrikus Nouws, destaca que o projeto “pretendeu dar resposta aos desafios analíticos existentes ao desenvolver sensores de tamanho reduzido, baratos e fáceis de manusear, seletivos e com capacidade de despistar quantidades vestigiais de alergénios”.

O projeto foi financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) em 239 mil euros.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Sindicatos ouvidos na Comissão de Saúde alertam para “condições muito precárias” no SNS

Os sindicatos dos trabalhadores da saúde falam em “condições muito precárias” para doentes e profissionais. O problema no SNS não é só a carreira: chove dentro de gabinetes, há cadeiras rotas e computadores que não dão resposta. “Não houve investimento na tecnologia como deveria ser”, disse Joana Bordalo e Sá, presidente da FNAM, na Comissão de Saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights