“A Última Solidão” chega às livrarias para pôr o país a falar de ‘velhos’

26 de Outubro 2022

Carmen Garcia é enfermeira com mais de uma década de experiência em lares de idosos e conta agora em livro os problemas que encontra, como a demência, a solidão ou os abusos, defendendo que é preciso falar de 'velhos'.

Começa logo por explicar que não gosta da palavra ‘idoso’, que considera “uma palavra com uma condescendência brutal”, e logo aí fica claro que a entrevista à agência Lusa será para falar de velhos, dos velhos que chama de seus, através das “histórias de amor e mágoa” destas pessoas que conheceu pelos vários lares onde trabalhou desde que se formou enfermeira.

O livro já está à venda nas principais livrarias nacionais e o título não podia ser mais premonitório: “A Última Solidão”.

“A velhice está sozinha. Há lares onde a gente entra que parecem a antecâmara da morte. Há uma sala enorme onde estão 30 ou 40 utentes com a televisão aos gritos e de onde só se mexem quando vão para a sala de refeições”, diz Carmen Garcia.

Todas as pessoas das 12 histórias contidas no livro já morreram e nenhum nome é real, mas todas são demonstrativas do estado a que chegou o envelhecimento num dos países mais envelhecidos do mundo, e que Carmen Garcia espera que deem “às pessoas uma noção melhor do que é ser velho e do que é que se passa em lares”.

A “história de maior solidão” que conta no livro leva o nome de Custódio, “um homem que foi indigente a vida toda”, que fugiu de casa aos nove anos, foi violado durante anos por um padre, e acabou cego num lar, convencido de que a justificação para a cegueira estava no facto de não haver ninguém que ele precisasse de ver.

“Este homem nasce e morre sozinho e é uma história de uma solidão absoluta e eu muitas vezes chamo a atenção para isto, para a doença mental, para a necessidade de dar atenção à doença mental, para os lares terem psicólogos porque a doença mental está lá”, afirma Carmen Garcia.

Estas histórias servem também para denunciar casos de violência doméstica, com casais em que “a mulher é absolutamente subjugada e continua a ser vítima de violência física”, mas também de namoros e casamentos que acontecem entre utentes dos lares.

“Há tantas coisas que se passam nos lares e as pessoas não sabem”, desabafa, para logo de seguida explicar que a razão pela qual entendeu que fazia sentido escrever o livro é que “é preciso que a gente fale de velhos”.

“Eu queria muito trazer os velhos, a velhice, os lares e estas coisas todas para a ordem do dia antes que a bolha nos rebente em cima”, justifica.

A “bolha” de que Carmen Garcia fala, e que, segundo ela, o país tem vindo a “empurrar com a barriga”, diz respeito ao rápido envelhecimento da população em Portugal, que pode atingir o rácio de 317 velhos por cada 100 jovens em 2080 -, ao mesmo tempo que faltam as repostas necessárias para estas pessoas.

Respostas para desafios como a demência, contada, por exemplo, através da história de Maria do Rosário, que recolheu à cama depois da morte do filho mais novo, com dez anos, e onde permaneceu 39 anos, indo para um lar cinco anos depois, quando “o Pedro bisneto e o Pedro filho eram uma só e a mesma pessoa”. Carmen Garcia considera Maria do Rosário a protagonista da “história mais incrível e mais triste” que vivenciou enquanto enfermeira.

Outro desafio de que pouco se fala, aponta, tem a ver com as relações abusivas que, como se passam entre marido e mulher, acabam ignoradas durante muito tempo, como no caso de Emília, que casou com outro utente do lar, que “todas as noites ia para cima dela e esfrega[va]-se, para cima e para baixo” mesmo contra a vontade da mulher.

Carmen Garcia assume a dificuldade que teve em escolher as histórias que agora pôs em livro, mas afirma que quis que com elas as pessoas ficassem a conhecer e a saber o que se passa dentro dos lares e com quem lá vive “porque há tanta coisa que precisa ser mudada”.

A apresentação pública do livro acontece em 28 de outubro, Dia Internacional dos Idosos.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights