Covid-19: Festas eram infrações óbvias para Boris Johnson, diz relatório

3 de Março 2023

As infrações cometidas durante festas realizadas em edifícios do Governo britânico durante a pandemia deveriam ser óbvias para o antigo primeiro-ministro Boris Johnson, segundo um relatório parlamentar preliminar divulgado esta sexta-feira.

A Comissão dos Privilégios Parlamentares, que está a investigar se o antigo líder Conservador mentiu ao Parlamento sobre o chamado “partygate”, escreveu no documento que “as provas sugerem fortemente que as violações das regras teriam sido óbvias para Johnson na altura em que estas reuniões ilegais estavam a ter lugar”.

Johnson deverá testemunhar no inquérito conduzido pela comissão na semana de 20 de março para perceber se tinha ou não conhecimento de que as festas realizadas nos gabinetes do governo durante o confinamento imposto pela pandemia Covid-19 violavam a lei.

“Há provas de que aqueles que aconselhavam Johnson sobre o que dizer à imprensa e na Câmara (dos Comuns) acharam difícil manter que algumas reuniões estavam dentro das regras [do confinamento]”, acrescenta o documento divulgado hoje.

A comissão disse que também irá avaliar por que razão Johnson disse ao Parlamento que as regras não tinham sido transgredidas e porque não corrigiu as declarações na primeira oportunidade.

O antigo primeiro-ministro respondeu num comunicado que “não há provas no relatório” de que ele “conscientemente” enganou o Parlamento.

Johnson disse também ser “surreal” descobrir que a comissão “propõe confiar nas provas recolhidas e orquestradas” pela funcionária Sue Gray, “que acaba de ser nomeada chefe de gabinete do líder do Partido Trabalhista” Keir Starmer.

Funcionária pública com reputação de imparcialidade, Sue Gray ganhou notoriedade pelo seu relatório sobre o “partygate”, que detalhava, com emails e fotografias, uma série de festas com bebidas alcoólicas e altercações, música, e saídas matinais pelas portas das traseiras.

O anúncio da sua saída da administração pública para se juntar ao principal partido da oposição, que as sondagens sugerem que poderá ganhar as próximas eleições legislativas, gerou acusações na imprensa conservadora de uma conspiração para derrubar Boris Johnson.

A comissão parlamentar disse que o relatório que publicou na sexta-feira “não se baseava no relatório da Sue Gray”.

Se a comissão, formada por uma maioria de deputados do Partido Conservador, concluir que Boris Johnson mentiu deliberadamente, poderá penalizá-lo com a suspensão temporária do Parlamento, o que abre caminho a uma petição pública para o destituir do lugar de deputado.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

APDI dedica mês de maio à consciencialização para a Doença Inflamatória do Intestino (DII)

A APDI – Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino, colite ulcerosa, doença de Crohn está a dedicar, mais uma vez, o mês de maio à consciencialização para a Doença Inflamatória do Intestino (DII) seguindo as indicações da EFFCA – Federação Europeia das  Associações de Doença de Crohn e Colite Ulcerosa que neste ano de 2024 escolheu como mote “A  DII não tem fronteiras”.

Nuno Jacinto: “A Medicina Geral e Familiar tem um papel central em todos os sistemas de saúde”

O presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) reforçou a importância da especialidade na promoção da saúde e prevenção da doença. No âmbito do Dia Mundial do Médico de Família, Nuno Jacinto falou ao HealthNews sobre os constragimentos que estes profissionais de saúde enfrentam e dos desafios que os cuidados de saúde primários enfrentam em Portugal.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights