Grupo de peritos tem até maio para relançar acesso aos cuidados de saúde oral

9 de Março 2023

Um grupo de peritos vai analisar o acesso aos cuidados de saúde oral no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e tem até maio para apresentar propostas para calendarização de um plano para 2023-2025.

A decisão de criar o grupo operacional foi hoje tomada pela Direção Executiva do SNS (DE-SNS), que explica, na deliberação a que a Lusa teve acesso, que este grupo vai relançar o ‘Programa Saúde Oral no SNS – 2.0’ e “dar-lhe um novo impulso”, recuperando a centralidade dos cuidados de proximidade.

De acordo com a deliberação da DE-SNS, a “proposta de estratégia” que o grupo operacional irá apresentar pretende aumentar a confiança dos utentes neste nível de cuidados e promover a equidade no acesso, através da criação de consultas de saúde oral em todos os municípios do país, para “garantir ganhos efetivos em saúde”.

Por outro lado, acrescenta a deliberação, outro dos objetivos é “cativar e fixar médicos dentistas no SNS, através da criação de condições laborais que dignifiquem a profissão”.

O grupo integra elementos da DE-SNS, Ordem dos Médicos Dentistas, Direção-Geral da Saúde, Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), Administrações Regionais de Saúde (ARS), Associação Portuguesa dos Médicos Dentistas dos Serviços Públicos (Apomed-SP) e do gabinete da secretária de Estado da Promoção da Saúde.

Os peritos vão debruçar-se sobre várias dimensões do programa, entre as quais os recursos humanos, os gabinetes de medicina dentária nos cuidados de saúde primários, equipamentos e material consumível, carteira de serviços, referenciação e articulação, integração de cuidados nas Unidades Locais de Saúde e monitorização da atividade e avaliação dos ganhos em saúde.

O último barómetro da Saúde Oral, divulgado em novembro, revelou que metade dos portugueses nunca vai ao médico dentista, ou vai menos de uma vez por ano, apontando como razão não precisar destes cuidados, mas com quase 30% a dizerem que não vão ao dentista por falta de dinheiro.

Apesar de ainda serem 50,2% os portugueses que dizem não necessitar de cuidados de saúde oral, este valor reduziu 20,1 pontos percentuais face a 2021, segundo a 7.ª edição do barómetro, promovido pela Ordem dos Médicos Dentistas (OMD) e que inquiriu 1.102 pessoas maiores de 15 anos.

A análise apontou ainda para um aumento do número de portugueses que não tem dinheiro para ir dentista (29,5%) em 7,4 pontos percentuais, mostrando “os efeitos da crise atual”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Fundação BIAL: candidaturas aos apoios a projetos de investigação científica encerram a 31 de agosto

As candidaturas ao Programa de Apoios à Investigação Científica da Fundação BIAL estão abertas até ao dia 31 de agosto. Esta iniciativa destina-se a investigadores nas áreas da Psicofisiologia e da Parapsicologia, que terão a oportunidade de se candidatar a apoios financeiros que podem alcançar até 60 mil euros, sujeitando-se à avaliação dos membros do Conselho Científico da fundação.

Hospital CUF Tejo Imagiologia Cardiovascular recebe acreditação europeia

A Associação Europeia de Imagiologia Cardiovascular (EACVI) acaba de reconhecer a qualidade clínica e tecnológica do serviço de Imagiologia do Hospital CUF Tejo, atestando-o como referência na realização de ressonância magnética cardíaca, com especialização em ressonância magnética com stress. 

Unidade de Queimados da ULS de Coimbra celebra 35 anos

A Unidade de Queimados da ULS de Coimbra – a única em Portugal certificada pela European Burns Association (EBA) e uma das menos de trinta certificadas em toda a Europa como centro de queimados de alto nível – atende entre 150 a 200 doentes por ano.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights