Presidente da República afasta cenário de descontrolo e faz apelo a que se use mais a máscara

24 de Junho 2020

O Presidente da República afastou esta quarta-feira um cenário de descontrolo da propagação da Covid-19 em Portugal, afirmando que os números não mostram isso, e fez um apelo a que se use mais máscara no espaço público.

“Faço aqui um novo apelo a que, no espaço público, e no espaço público de grande participação, tal como nos espaços privados já acontece e deve acontecer por regra, independentemente do número de pessoas, mas por maioria de razão com um número elevado, a máscara seja mais utilizada”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, no Infarmed, em Lisboa, alertando também para “o uso de máscara muitas vezes feito com displicência”.

O chefe de Estado, que falava no final de mais uma reunião sobre a evolução da Covid-19 em Portugal, referiu que “em momento algum se encontrou a ideia de descontrolo da epidemia, quer a nível nacional, quer a nível da região de Lisboa e Vale do Tejo, quer na evolução do número de mortos, de óbitos, quer na pressão sobre o Serviço Nacional de Saúde (SNS)”.

“O que os números mostram não é um descontrolo. O descontrolo existiria se houvesse aquilo que nalguns cenários chegou a ser aventado, que é uma duplicação ou mais do que duplicação do número de contaminados, pressionando o número de internados e de internados em cuidados intensivos. Isso não existe”, reforçou.

O Presidente da República assinalou que Portugal tem neste momento um indicador de transmissão de 1,08, “curiosamente, com a região de Lisboa e Vale do Tejo abaixo das outras regiões”, acrescentando: “A região Norte está com um R superior à região de Lisboa e Vale do Tejo e superior à região Centro”.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, o que se passa em Lisboa e Vale do Tejo é “um fenómeno localizado em algumas freguesias”, e não em toda a região, nem sequer em municípios inteiros, com contágios em “coabitação próxima e eventualmente transportes”, estando por apurar se “já vem de trás, e não se conhecia porque não tinha sido testado, ou é um fenómeno recente”.

“O que é facto é que não tem projeção e difusão comunitária que permita dizer que toca a maioria esmagadora dos municípios da região”, disse.

O Presidente da República considerou que “não pode ser esquecido” que tem havido também “um aumento do número de testes nas últimas semanas”, em particular na região de Lisboa e Vale do Tejo, onde mencionou que “não há um aumento, há uma estabilização – em valores elevados, é certo – do número de infetados”.

Questionado sobre a realização de manifestações neste período de pandemia, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu que “a questão é muito simples” e que “em relação ao exercício do direito de reunião e de manifestação”, constitucionalmente garantido, “em recinto fechado como em espaço público aberto, há regras a respeitar” de saúde pública.

O chefe de Estado pediu a quem promove a estas iniciativas que faça “um esforço” de diálogo com as autoridades sanitárias e a cada um dos portugueses, sejam mais novos ou mais velhos, que contribua com “responsabilidade cívica” para o combate à Covid-19.

Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que há ainda “muitas perguntas sem resposta” sobre esta doença provocada por um novo coronavírus, mas acrescentou que isso acontece “em todo o mundo, a começar pela Organização Mundial de Saúde (OMS)”.

“No caso português, trabalha-se para obter respostas específicas? Sim. Daí os inquéritos no terreno, daí o apertar-se a malha para encontrar áreas geográficas mais pequenas, daí caminhar-se para o nível de freguesia, daí as medidas serem direcionadas e específicas. Está-se a trabalhar”, sustentou.

Em Portugal, os primeiros casos de infeção com o novo coronavírus foram confirmados no dia 02 de março e até agora morreram 1.543 pessoas num total de 40.104 contabilizadas como infetadas, de acordo com a Direção-Geral da Saúde (DGS).

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights