Lisboa encerra último centro de vacinação e contabiliza 1,48 milhões de inoculações

27 de Março 2023

O último dos 10 centros de vacinação contra a Covid-19 a funcionar em Lisboa encerrou na sexta-feira, anunciou esta segunda-feira a Câmara Municipal, acrescentando que aqueles espaços administraram 1,48 milhões de vacinas nos dois anos que funcionaram.

O último centro municipal de vacinação contra a Covid-19 a funcionar em Lisboa estava instalado na Comunidade Hindu de Portugal e encerrou na passada sexta-feira, 24 de março, indicou a câmara, segundo informação disponibilizada no seu ‘site’.

Dos 10 centros disponibilizados pelo município de Lisboa ao longo dos 25 meses de campanha de vacinação contra a Covid-19, que arrancou em fevereiro de 2021, o espaço na Comunidade Hindu de Portugal foi o que registou o maior número de inoculações, com um total de 417.594 vacinas administradas.

“Ao longo de dois anos, foram administradas 1.480.388 vacinas, em 10 centros de vacinação em massa”, afirmou a Câmara Municipal de Lisboa (CML).

O município de Lisboa disponibilizou os primeiros centros de vacinação contra a Covid-19 em fevereiro de 2021, com a abertura de cinco espaços, no âmbito da “maior campanha de vacinação em massa da história da humanidade”.

Esses centros de vacinação foram coordenados operacionalmente pelo Serviço Municipal de Proteção Civil de Lisboa, com o apoio dos centros de saúde, de vários serviços municipais e das juntas de freguesia.

Os primeiros cinco centros de vacinação a abrirem portas em Lisboa, todos em fevereiro de 2021, foram instalados na Junta de Freguesia de São Domingos Benfica, que funcionou até maio de 2021 e onde foram administradas 1.719 vacinas; no Pavilhão Manuel Castelbranco, aberto até setembro de 2021, com um total de 77.008 inoculações; na Altice Arena, disponibilizado até outubro de 2021 e onde foram registadas 113.144 vacinas; na Escola Politécnica, até novembro de 2021, com 87.455 inoculações; e no Pavilhão da Ajuda, que esteve aberto até dezembro de 2022 e onde foram contabilizadas 243.248 vacinas.

De acordo com os dados disponibilizados pela CML, em março de 2021 foram abertos outros três centros de vacinação, um dos quais no Pavilhão 3 da Cidade Universitária, que encerrou em maio de 2021, foi reaberto em setembro de 2021 e encerrou definitivamente em novembro de 2021, contabilizando 47.251 vacinas administradas.

Foi aberto outro nos Serviços Sociais da CML, que fechou em novembro de 2021, reabriu em março de 2022 e encerrou em março deste ano, registando um total de 149.805 inoculações, e na Comunidade Hindu, que também teve um interrupção entre setembro de 2021 e março de 2022, mas foi o último a encerrar, em 24 de março deste ano, somando 417.594 vacinas.

Entre os 10 centros de vacinação contra a Covid-19 em Lisboa, incluem-se ainda o Pavilhão 1 da Cidade Universitária, que abriu em maio de 2021 e encerrou em setembro desse mesmo ano, contabilizando 47.873 vacinas administradas, e o Pavilhão 4 da FIL no Parque das Nações, considerado o “maior centro de vacinação do país”, que funcionou entre dezembro de 2021 e março de 2022, registando um total de 295.291 inoculações.

Desde 02 de março de 2020, quando foram notificados os primeiros casos de Covid-19, e até dia 13 de março deste ano, Portugal registou mais de 5,5 milhões de casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, tendo havido 26.302 mortes, de acordo com os dados da Direção-Geral da Saúde (DGS).

A Covid-19 é uma doença respiratória infeciosa causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, um tipo de vírus detetado há três anos na China e que se disseminou rapidamente pelo mundo, tendo assumido várias variantes e subvariantes, umas mais contagiosas do que outras.

A doença é uma emergência de saúde pública internacional desde 30 de janeiro de 2020 e uma pandemia desde 11 de março de 2020.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

APAH defende autonomia após ministra anunciar auditoria

 A Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH) defendeu hoje autonomia para as administrações tomarem decisões, depois de a ministra da Saúde anunciar a criação de uma comissão para auditar os conselhos de administração dos hospitais.

Enfermeiros denunciam situação “explosiva” na Linha SNS 24

A Linha SNS 24 vive uma situação “explosiva” e, entre os enfermeiros que prestam serviço nesta linha de atendimento, já se fala em paralisação. A denúncia é feita pelo Sindicato dos Enfermeiros (SE), que teve conhecimento do caso por meio de uma exposição dos enfermeiros que ali prestam serviço, em tempo parcial.

Violência contra a pessoa idosa em debate

A Câmara Municipal de Ponta Delgada (São Miguel, Açores) promove na próxima sexta-feira, às 9h30, uma palestra subordinada ao tema da consciencialização da violência contra a pessoa idosa, isto na véspera do dia mundial que lhe é dedicado pela Organização das Nações Unidas.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights