Organização Mundial da Saúde quer melhorar saúde dos indígenas

30 de Maio 2023

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou uma resolução que exige a elaboração de um plano de ação para a saúde dos povos indígenas, cuja expectativa de vida é geralmente inferior à média global.

Este plano, aprovado no penúltimo dia da assembleia anual da Organização Mundial da Saúde (OMS), que decorre em Genebra, deve ser apresentado na assembleia anual de 2026, noticiou a agência Efe.

Entre a estratégia deverão ocorrer consultas com os próprios povos indígenas, incluindo a possibilidade de que a OMS possa apoiar os países que solicitem a assistência da organização para melhorar a saúde de um determinado grupo.

A resolução também exorta os estados membros da OMS a recolher informações sobre a situação de saúde dos povos indígenas, com o seu consentimento prévio, e desenvolver sistemas e estratégias nacionais destinadas a melhorar a saúde destas pessoas.

Também os encoraja a recrutar indígenas para as suas redes de saúde “tendo em consideração as suas práticas e conhecimentos tradicionais”.

A OMS recordou que a prevalência de problemas de saúde, incluindo diabetes, desnutrição e mortalidade materna e infantil, é maior nos povos indígenas do que no resto da população.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights