CNECV alerta para problemas éticos dos incorretamente designados “embriões sintéticos”

26 de Julho 2023

O anúncio recente de produção do incorretamente designado "embrião sintético" suscitou dúvidas e controvérsias a que o Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida (CNECV) procura responder com a sua reflexão sobre "Modelos de Embriões Humanos: aspetos éticos relevantes".

Um grupo de cientistas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, e do Instituto de Tecnologia da Califórnia, nos EUA, anunciou a criação de uma estrutura celular semelhante à do embrião humano, unicamente a partir de células estaminais, sem recurso à fertilização de ovócitos por espermatozoides.

O estudo, qualificado como “inovador” e “pioneiro” pela imprensa internacional, levou a um aceso debate ético sobre a realidade em causa, mas também sobre a forma como a notícia foi disseminada.

Como salienta a presidente do CNECV, Maria do Céu Neves, “não há aqui, efetivamente, uma novidade científica ou tecnológica que represente um avanço qualitativamente distinto da investigação que vem sendo feita nesta matéria desde há décadas e por várias equipas científicas”.

Esta realidade, prossegue a responsável do Conselho, “conduz-nos a alertar para a necessidade do cumprimento escrupuloso dos princípios da integridade científica, não só no processo de investigação, como é do conhecimento comum, mas também no da sua comunicação, o que exige objetividade e rigor. Deve, por isso, rejeitar-se a hiperbolização da informação e o sensacionalismo do discurso. Sobretudo, deve ser evitada a utilização desse anúncio, ainda não substanciado por uma publicação em jornal científico, para a obtenção de vantagens indevidas”.

A produção de uma estrutura celular coloca de imediato a questão terminológica e revisita a definição de embrião, para evitar que uma diferente designação seja um meio para contornar a regra que, desde 1984, restringe todo o tipo de experimentação em embriões para além do 14.º dia.

Por outro lado, a atribuição de potencial terapêutico à investigação em causa tende não só a legitimá-la, mas também a isentá-la do debate social que se impõe, podendo facilmente resvalar do seu intuito originário para aplicações não antecipadas e eticamente problemáticas, alerta o CNECV na sua posição.

Assim, à importância de retomar questões como a da legitimidade ética da manipulação da vida humana, com a destruição intencional de embriões, soma-se a necessidade de refletir sobre estes “modelos de embriões humanos”, qual o seu estatuto e características e o consequente nível de proteção jurídica que lhe deve ser conferido, o que poderá implicar a revisão da legislação em vigor.

O CNECV realça também que o recurso a uma potencial criação de embriões in vitro poderá, no futuro, ter em vista encurtar ou mesmo suprimir a gestação uterina ou, no limite, gerar uma criança unicamente a partir de células de um indivíduo adulto, numa abordagem potencial à clonagem reprodutiva humana que, ao criar uma criança sem progenitores, levaria a um novo sentido de “orfandade”, uma orfandade radical e absoluta.

O texto da Tomada de Posição foi aprovado, por unanimidade, na 279.ª reunião plenária do CNECV e pode ser lido na íntegra aqui.

PR/HN/RA

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Acordo com os médicos é só para sindicalizados do SIM

Em declarações ao nosso jornal, o Secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM) admite que o acordo intercalar com o Governo para aumentos salariais destina-se a apenas alguns médicos. Jorge Roque da Cunha deixa um apelo à “amiga e colega” dirigente da Federação Nacional dos Médicos: “Subscrevam, ainda que sob protesto, este acordo”.

OMS pede mais esforços para salvar “um planeta doente”

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), que participará na 28.ª conferência das Nações Unidas sobre alterações climáticas (COP28), que começa esta quinta-feira, pediu aos líderes políticos mais esforços na conferência para salvar “um planeta doente”.

LBP entrega carta de protesto no Ministério da Saúde

A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) entrega esta quinta-feira no Ministério da Saúde uma carta de protesto para contestar a falta de medidas para responder aos constrangimentos nas urgências dos hospitais e aos problemas financeiros no transporte de doentes.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights