PSD de Amarante diz que encerramento de bloco de partos do CHTS é “inadmissível”

31 de Outubro 2023

O PSD de Amarante considerou hoje que o encerramento do bloco de partos do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS), em Penafiel, a partir de quarta-feira, é “inadmissível” e resulta da “incompetência do governo socialista”.

“Tal encerramento, resultante da incompetência do governo socialista, constitui mais um passo para o caos a que este governo está a conduzir o Serviço Nacional de Saúde [SNS]”, lê-se no comunicado enviado à Lusa, alertando que a situação “afeta enormemente as utentes de Amarante”.

Na quinta-feira, foi anunciado que o hospital de Penafiel vai “encerrar para o exterior”, a partir de 01 de novembro e até novas indicações, o bloco de partos e a admissão para o serviço de urgência de obstetrícia e ginecologia.

Naquele dia, fonte da administração indicou à Lusa que a decisão do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, sediado em Penafiel, decorre da “indisponibilidade de médicos que permitam completar as escalas de urgência”, acrescenta a fonte.

Avançou também que os utentes devem “procurar o atendimento, para aquelas situações, no Hospital de São João, no Porto”.

O CHTS compreende as unidades hospitalares de Penafiel, onde está localizado o bloco de partos, e Amarante, tendo como área de abrangência os 12 municípios daquele território, num universo populacional de mais de 520 mil pessoas.

Para o PSD, o encerramento do bloco de partos é “mais uma ‘machadada’ do governo do PS na prestação dos cuidados de saúde em Amarante, que vem acrescer ao encerramento, em 2006, da maternidade que funcionava, e bem, no ‘velho’ Hospital de São Gonçalo”.

Os social-democratas de Amarante também criticam o “desaproveitamento quase total” do hospital da cidade, que integra o CHTS, “o qual tem vindo a ser continuamente esvaziado em pessoal e valências, correndo o risco de ficar praticamente reduzido às paredes do edifício”.

“Onde foram investidos cerca de trinta milhões de euros?”, questionou a concelhia social-democrata, lembrando que “as paredes não tratam doentes”.

Os sindicatos dos médicos e o ministro da Saúde voltam a encontrar-se hoje, após uma reunião no domingo que durou mais de nove horas e terminou sem acordo na madrugada de segunda-feira.

As negociações entre o Ministério da Saúde e o Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional dos Médicos (Fnam) iniciaram-se em 2022, mas a falta de acordo tem agudizado a luta dos médicos, com greves e declarações de escusa ao trabalho extraordinário além das 150 horas anuais obrigatórias, o que tem provocado constrangimentos e fecho de serviços de urgência em hospitais de todo o país.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Ministério avalia propostas das ordens nos próximos dois meses

O Governo vai avaliar nos próximos dois meses as propostas apresentadas hoje à ministra da Saúde pelas ordens profissionais, que demonstraram preocupação com a resposta assistencial do Serviço Nacional de Saúde (SNS), anunciou hoje a ministra.

Doenças evitáveis por vacinação estão a aumentar na Europa

As doenças evitáveis por vacinação estão a aumentar nos países da União Europeia (UE) e do Espaço Económico Europeu (EEE), alertou esta segunda-feira o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) no âmbito da Semana Europeia da Vacinação.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights