Serviços de urgências no Médio Tejo “no fio da navalha” em recursos humanos

14 de Novembro 2023

A Comissão de Utentes da Saúde do Médio Tejo (CUSMT) afirmou estar preocupada com a falta de médicos, tendo indicado que os cinco serviços de urgência hospitalar estão “no fio da navalha” em termos de recursos humanos.

“Nós temos cinco urgências no Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT), divididas por três cidades (…), Tomar, Abrantes e Torres Novas, todas elas desempenhando um papel importante em termos sociais e em termos humanos, daí a nossa atenção especial à organização das urgências”, disse hoje à Lusa Manuel Soares, porta-voz da CUSMT, tendo indicado que “todas elas estão no fio da navalha”, em termos de recursos humanos para a prestação de serviços.

“A informação que temos é que há um plano que implica o encerramento aos fins de semana das urgências pediátricas e continuamos a lamentar esta situação, consequência de políticas erradas em termos de formação e de gestão de recursos humanos, mas, o que é verdade, é que não há profissionais para abrir estes serviços”, afirmou Manuel Soares, após uma reunião da CUSMT com o Conselho de Administração do CHMT para troca de “informações” e de “opiniões”.

A reunião de ontem, notou o responsável, decorreu “a exemplo do que tem sucedido com muita regularidade no esclarecimento da atividade hospitalar e suas condicionantes, assim como na troca de opiniões sobre a forma de ultrapassar alguns constrangimentos e implementar algumas medidas”, tendo indicado que a questão das urgências foi “o tema principal” abordado entre as duas entidades.

“Está a ser feita uma gestão quase que diária e algumas certezas que trazemos em relação ao futuro, a não ser algum caso excecional que venha a suceder, é que não se prevê qualquer contingência nas urgências básicas de Torres Novas e de Tomar, até final de novembro, e não se prevê que venha a haver mais qualquer contingência a nível da maternidade, em Abrantes”, indicou Soares.

Por outro lado, acrescentou, “e apesar dos responsáveis e da administração [hospitalar] continuarem a fazer esforços no sentido de poder abrir todos os dias a urgência pediátrica, a informação que temos (…) é que vai continuar a fechar aos fins de semana”.

Manuel Soares apelou ainda aos utentes da região para que recorram à linha Saúde 24, antes de se dirigirem para as urgências hospitalares.

“É importante que todos os utentes, perante uma situação de doença, tentem ligar para a linha de Saúde 24 porque aí serão orientados e serão encaminhados, inclusive serão referenciados para as unidades de saúde, quer para ter consultas, quer para situações de urgência”, indicou.

A urgência pediátrica do Hospital de Torres Novas, do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT), passou em novembro a encerrar aos fins de semana, situação que se deverá manter até final do ano, indicou a administração hospitalar.

“Todos nós temos noção dos constrangimentos que isto traz para as famílias e para as pessoas, mas, humanamente, não temos outras condições”, disse à agência Lusa, na ocasião, o presidente do Conselho de Administração, Casimiro Ramos.

Segundo o responsável, o motivo para o encerramento semanal daquela urgência pediátrica é o insuficiente número de pediatras para ter escalas completas.

No início de outubro, a direção executiva do Serviço Nacional de Saúde tinha divulgado o mapa de urgências de pediatria para o inverno, com a de Torres Novas a funcionar com constrangimentos até janeiro de 2024, fechando quinzenalmente, entre sexta-feira e domingo.

Contudo, a medida foi revista e aquele serviço passou a encerrar todos os fins de semana, até final do ano, entre as 09:00 de sábado e as 09:00 de segunda-feira.

“Apesar dos esforços dos profissionais de saúde do Serviço de Pediatria do CHMT para garantir as escalas do serviço de urgência pediátrica, esta programação revela-se como absolutamente necessária”, indicou o CHMT, em comunicado, acrescentando que, “durante os períodos de fecho programado, os médicos pediatras que se encontram ao serviço do CHMT garantem apenas apoio à urgência interna e aos doentes já admitidos” na instituição.

A alternativa aos fins de semana para os utentes do CHMT passa a ser a urgência pediátrica do Hospital de Santarém.

“Caso não surjam situações imprevistas de doença ou falta de médico ao serviço, prevemos o funcionamento dentro da normalidade, 24 sobre 24 horas, das duas urgências básicas, em Tomar e Torres Novas, e da maternidade e da Unidade Médico Cirúrgica (UMC)”, ambas em Abrantes, “durante o mês de novembro”, afirmou, tendo enaltecido a “dedicação” e o “espírito de solidariedade dos profissionais” do CHMT na resposta às contingências sentidas no setor.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

ULS de Braga celebra protocolo com Fundação Infantil Ronald McDonald

A ULS de Braga e a Fundação Infantil Ronald McDonald assinaram ontem um protocolo de colaboração com o objetivo dar início à oferta de Kits de Acolhimento Hospitalar da Fundação Infantil Ronald McDonald aos pais e acompanhantes de crianças internadas nos serviços do Hospital de Braga.

DE-SNS mantém silêncio perante ultimato da ministra

Após o Jornal Expresso ter noticiado que Ana Paula Martins deu 60 dias à Direção Executiva do SNS (DE-SNS) para entregar um relatório sobre as mudanças em curso, o HealthNews esclareceu junto do Ministério da Saúde algumas dúvidas sobre o despacho emitido esta semana. A Direção Executiva, para já, não faz comentários.

FNAM lança aviso a tutela: “Não queremos jogos de bastidores nem negociatas obscuras”

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) disse esta sexta-feira esperar que, na próxima reunião com o Ministério da Saúde, “haja abertura para celebrar um protocolo negocial”. Em declarações ao HealthNews, Joana Bordalo e Sá deixou um alerta à ministra: ” Não queremos jogos de bastidores na mesa negocial. Não queremos negociatas obscuras.”

SNE saúda pedido de relatório sobre mudanças implementadas na Saúde

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) afirmou, esta sexta-feira, que vê com “bons olhos” o despacho, emitido pela ministra da Saúde, que solicita à Direção-Executiva do Serviço Nacional de Saúde (DE-SNS) um relatório do estado atual das mudanças implementadas desde o início de atividade da entidade.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights