OMS avisa que “civilização está à beira do colapso” em Gaza

9 de Dezembro 2023

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou hoje que a “civilização está à beira do colapso" em Gaza e que o sistema de Saúde naquele território está arrasado, apelando a um cessar-fogo “já”, noticia a AFP

Em declarações aos jornalistas, em Genebra, na Suíça, o porta-voz da OMS, Christian Lindmeier, afirmou que a “situação está a tornar-se mais terrível a cada dia que passa, literalmente para além da imaginação”, segundo cita a agência de notícias francesa.

Na quinta-feira, o Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários da ONU (OCHA) deu conta que apenas 14 dos 36 hospitais da Faixa de Gaza ainda estavam a funcionar da melhor forma possível.

“A civilização está à beira do colapso. As crianças e as pessoas que imploram e choram por água estão numa fase em que os bens mais comuns e básicos já não estão acessíveis”, afirmou Lindmeier, citado pela AFP.

Segundo a OMS, a estimativa atual da disponibilidade de água em Gaza é de “um ou dois litros de água doce por dia, para todos os fins, não apenas para beber” e os habitantes “começaram a cortar postes telefónicos para obter um pouco de lenha para aquecer ou talvez para cozinhar, se tiverem o suficiente”.

Lindmeier relatou que para hoje estava previsto que um comboio fosse entregar material médico ao hospital árabe Al-Ahli, na cidade de Gaza, e retirar doze doentes para o sul, mas que não foi possível.

“Fomos informados esta manhã que esta missão teve de ser suspensa devido à situação de segurança”, esclareceu o porta-voz, que disse ainda que os profissionais de saúde da Faixa de Gaza não dispõem de água e alimentos suficientes para prosseguir o seu trabalho.

“Os doentes estão a sangrar no chão e os departamentos de traumatologia parecem campos de batalha”, relatou Lindmeier.

“Esta crueldade tem de acabar. Precisamos de um cessar-fogo e precisamos dele agora”, afirmou.

Na sequência do ataque sem precedentes do Hamas no sul de Israel, em 7 de outubro, que matou cerca de 1.200 pessoas, segundo as autoridades israelitas, Israel respondeu com bombardeamentos maciços e uma ofensiva terrestre que causou a morte de 17.177 pessoas em Gaza, sobretudo mulheres e crianças, segundo o Ministério da Saúde do Hamas.

Uma grande parte da Faixa de Gaza transformou-se num campo de ruínas e, segundo a ONU, 80% da população foi deslocada, sofrendo com a escassez de água, combustível, alimentos e medicamentos, bem como o risco de doenças contagiosas.

NR/Lusa

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores da Cruz Vermelha exigem melhores condições de trabalho

 Vários sindicatos denunciaram esta terça-feira as “condições de trabalho desiguais” dos trabalhadores das diferentes delegações da Cruz Vermelha Portuguesa, voltando a exigir um acordo de empresa que garanta iguais direitos e melhores condições laborais.

708 novos dadores na região do Médio Tejo em 2023

O Serviço de Imuno-Hemoterapia da Unidade Local de Saúde do Médio Tejo (ULS Médio Tejo) colheu, durante os 12 meses de 2023, 6.083 dádivas de sangue nas suas três unidades hospitalares. Foram 708 os novos dadores da região.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights