Secretário da Defesa dos EUA delega funções após nova hospitalização

12 de Fevereiro 2024

O secretário da Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, cujas hospitalizações secretas suscitaram polémica, delegou funções depois de ter sido novamente internado no domingo, anunciou a defesa norte-americana.

Lloyd Austin delegou funções na vice-secretária da Defesa, Kathleen Hicks, por volta das 16:55 (21:55 em Lisboa), estando previsto que fique hospitalizado durante a noite, indicou o porta-voz major-general Pat Ryder, num comunicado publicado no site do Pentágono.

O chefe do Pentágono, diagnosticado com cancro da próstata e recentemente operado, foi levado para um estabelecimento militar nos arredores de Washington devido a um aparente problema de bexiga.

Pat Ryder tinha inicialmente dito que Austin “foi para o hospital com os sistemas de comunicações confidenciais e não confidenciais necessários ao desempenho das funções”, embora acrescentando que Hicks estava pronta a assumir as funções, se necessário.

O Pentágono sublinhou que desta vez a Casa Branca foi imediatamente notificada da hospitalização de Austin, ao contrário do que aconteceu em janeiro.

Em 01 de fevereiro, o secretário da Defesa pediu desculpas publicamente pela forma como reagiu depois de ter sido diagnosticado com cancro da próstata, admitindo que devia ter comunicado o internamento hospitalar.

“Quero ser claro. Não agi corretamente”, admitiu o chefe do Pentágono, perante os meios de comunicação social, numa mensagem em que assumiu “total responsabilidade” pelos erros.

O secretário da Defesa, de 70 anos, prometeu na altura que, caso a situação se repetisse, haveria uma notificação imediata.

Austin tinha previsto viajar na terça-feira para uma reunião em Bruxelas sobre a situação na Ucrânia, seguida de um encontro dos ministros da defesa da NATO.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Altamiro da Costa Pereira: “A Inteligência Artificial não passa de mais uma ferramenta à disposição do médico”

O impacto das tecnologias no ensino da Medicina e da prática clínica foi o tema escolhido para encerrar o ciclo de conversas conduzidas pelo professor catedrático, Jorge Polónia. Desta vez, e para terminar com ‘chave de oro’, o convidado foi o Diretor da Faculdade de Medicina do Porto, o Prof. Altamiro da Costa Pereira. O responsável destacou que apesar de a Inteligência Artificial ser uma ferramenta “poderosíssima”, esta “nos dá por si só novo conhecimento”, o que significa que “a investigação vai continuar a ser feita” e os médicos vão ser sempre necessários.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights