Coreia do Sul declara estado de crise grave na saúde devido a greve de internos

23 de Fevereiro 2024

 A Coreia do Sul elevou esta sexta-feira, pela primeira vez na história do país, o indicador sobre os serviços de saúde para o nível máximo, devido à greve de médicos internos, em protesto contra políticas governamentais.

Cerca de 60% dos médicos internos estão há quatro dias em greve, obrigando ao cancelamento ou reagendamento de metade das cirurgias em alguns hospitais do país, contra o plano do Governo de aumentar as vagas nas escolas médicas.

Em resposta, o Governo implementou hoje várias medidas de mobilização de pessoal e recursos, tornando obrigatória a prestação de serviços de telemedicina em todos os centros médicos e ativando subsídios para a contratação de mais trabalhadores temporários.

As autoridades alargaram ao máximo o horário de consultas nos hospitais públicos e criaram quatro centros de gestão de crises para gerir o transporte de doentes graves. Isto depois de, na terça-feira, terem aberto ao público em geral as urgências dos 12 hospitais militares.

A imprensa da Coreia do Sul referiu casos de pessoas que tiveram de percorrer dezenas de quilómetros e esperar horas para receber atendimento de urgência.

No total, 8.897 médicos estagiários apresentaram a demissão e 7.863 deles (60% dos que trabalham no país) abandonaram efetivamente os seus empregos, de acordo com dados hoje divulgados pelo Ministério da Saúde.

Na quarta-feira, o Governo da Coreia do Sul, que emitiu ordens aos internos para o regresso ao trabalho, anunciou que pretende emitir ordens de detenção e ainda deverá acusar aqueles que instigam à greve.

Em causa está uma reforma anunciada pelo Presidente sul-coreano, Yoon Suk-yeol, que visa aumentar o número de estudantes admitidos nas escolas médicas em 65%, ou mais 2.000 pessoas por ano, a partir de 2025.

O Governo da Coreia do Sul justifica esta medida como necessária para preparar o país para uma população cada vez mais idosa.

Cerca de 44% dos sul-coreanos terão mais de 65 anos em 2050, de acordo com projeções das autoridades.

O Governo calcula que faltarão 15 mil médicos para atender às necessidades do país até 2035 se nada for feito.

Mas os médicos opõem-se ao projeto por considerarem que a admissão de mais estudantes nas escolas médicas resultará numa queda no nível profissional dos futuros médicos e que a qualidade dos cuidados será prejudicada.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

José Albino é novamente presidente da Respira

Os associados da Respira – Associação Portuguesa de Pessoas com DPOC e outras Doenças Respiratórias Crónicas elegeram, no passado dia 6 de junho, a nova direção para o quadriénio 2024-2027. José Albino e Paula Duarte iniciam agora o mandato na qualidade de presidente e vice-presidente, respetivamente.

Dermatite atópica: Novos dados sobre upadacitinib

A AbbVie anuncia os resultados do LEVEL UP, um estudo de Fase 3b/4, aberto (mas com ocultação para o avaliador) e comparativo que avaliou a eficácia e a segurança de upadacitinib (com dose inicial de 15 mg uma vez por dia e ajuste da dose com base na resposta clínica) comparativamente a dupilumab (na dose aprovada) em adultos e adolescentes (com idade ≥ 12 anos) com dermatite atópica (DA) moderada a grave que tiveram uma resposta inadequada à terapêutica sistémica ou quando a utilização desse tipo de terapêuticas era desaconselhada.

Guilherme Veríssimo: “A saúde começa pela boca”

A evidência científica comprova que a má saúde oral está diretamente relacionada com 23 doenças sistémicas, entre elas a diabetes e as doenças cardiovasculares, e cinco tipos de cancro. Esta realidade pode surpreender a maior parte da população, mas não os dentistas. Em entrevista ao nosso jornal, o Médico Dentista, Guilherme Veríssimo, frisa que a “saúde oral não se resume a uma questão estética”, deixando alguns alertas para a importância da correta higienização dos dentes. O médico dentista aproveitou ainda para desmistificar alguns dos principais mitos associados à doença peridontal.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights